Tamanho do texto

Estudo aponta que a imersão na água quente pode ser mais eficaz para ajudar quem sofre de depressão devido ao efeito que a temperatura causa ao corpo

Tomar um banho quente de banheira pode ser mais eficaz no tratamento da depressão do que praticar exercícios físicos
shutterstock
Tomar um banho quente de banheira pode ser mais eficaz no tratamento da depressão do que praticar exercícios físicos

Um banho de banheira pode ser mais eficiente para o tratamento da depressão do que a prática de exercícios físicos, apontou um novo estudo. Com a descoberta, cientistas acreditam que a imersão em um banho quente pode ajudar a restaurar o ritmo de temperatura natural do corpo, que pode ser interrompido em pessoas que vivem com a condição.

Leia também: Até 2020, depressão será doença mais incapacitante do planeta, diz OMS

Não é novidade que a prática de exercícios físicos é capaz de levantar o humor, mas uma pesquisa da Universidade de Freiburg, na Alemanha, sugere que tomar banhos de banheira com água quente regularmente pode ter uma ação mais rápida para o tratamento da depressão do que ir para a academia quando sintomas da condição começam a aparecer.

Além disso, tomar um banho quente é muito mais fácil e acessível do que fazer uma aula de ginástica de 45 minutos. Segundo os especialistas, depressão é uma doença grave e pode deixar as pessoas totalmente sem forças e incapazes de se exercitar, então esta é uma notícia positiva.

Os pesquisadores testaram os efeitos dos banhos termais em 45 pessoas com depressão. "Os banhos hipertérmicos parecem ser um método de ação rápida, segura e de fácil acesso, levando a uma melhora clinicamente relevante no transtorno depressivo após duas semanas", afirmaram. "Também é adequado para pessoas que têm dificuldades para realizar treinamento físico."

Os participantes tinham uma idade média de 48 anos e depressão moderada a grave. Eles foram aleatoriamente designados para dois banhos de spa por semana, ou duas sessões de exercícios moderados por semana, antes de terem a depressão avaliada novamente.

As pessoas que faziam parte do grupo que recebeu o banho viram sua depressão cair em média seis pontos em duas semanas, enquanto o grupo de exercícios caiu apenas três.

Tudo o que os banhistas precisavam fazer era sentar-se em uma banheira com água quente por 30 minutos, depois enrolar-se em cobertores e bolsas de água quente por mais 20 minutos.

Já o de exercícios, os participantes tiveram que fazer 40 a 45 minutos de exercícios aeróbicos moderados, como correr, dançar ou nadar.

Tirando o fato de que ter um bom banho de banheira é muito mais agradável do que uma corrida de 45 minutos, os resultados positivos para a prática podem estar relacionados ao ritmo circadiano, conhecido como o despertador interno do ser humano.

Estudos anteriores descobriram que tomar um banho quente antes de dormir pode melhorar o sono porque abre os vasos sangüíneos da pele - permitindo que o corpo se livre do excesso de calor.

Portanto, uma resposta possível é que as pessoas no grupo que recebeu banho poderiam ter visto uma melhoria na qualidade do seu sono - e a depressão é conhecida por afetar negativamente o sono.

Acredita-se também que a depressão pode interromper a capacidade do corpo de regular a temperatura, portanto tomar banhos quentes regulares pode ajudar a corrigir isso, enquanto eleva os níveis de serotonina, o hormônio do bem-estar, que tende a ser baixa em pessoas com depressão.

Leia também: Entenda o que é síndrome do pânico e saiba identificar os sintomas do transtorno

Tratamento da depressão

O tratamento da depressão pode ser feito com base no diálogo, mas sempre é recomendado a busca por um profissional
shutterstock
O tratamento da depressão pode ser feito com base no diálogo, mas sempre é recomendado a busca por um profissional

Uma coisa é unanimidade entre os pesquisadores: a melhor solução para se evitar a condiçãoa é por meio da conversa. Assim, não só as pessoas que estão em volta daquela com depressão e pensamentos suicidas devem ficar atentas para buscar o diálogo: é também necessário que a própria pessoa se observe para, se necessário, buscar ajuda para ser escutada.

Exatamente por isso existem grupos de apoio como o Centro de Valorização da Vida  (CVV), ONG que disponibiliza, por meio de uma rede de voluntários disponível pelo número de telefone 141, email, chat e Skype, a oportunidade de conversar gratuitamente e ter apoio emocional a fim de evitar uma nova morte – sempre sob sigilo.

“Nem sempre é fácil se abrir com alguém, até porque a pessoa chega a esse ponto normalmente por se sentir solitário, sem confiar em ninguém para tratar de assuntos muito íntimos", avalia Carlos Correia, voluntário do CVV. 

A depressão, transtorno mental com causas ao mesmo tempo biológicas e ambientais, é de longe a doença mais ligada ao suicídio no mundo. E, cada vez que a patologia se aloca na vida da pessoa, a situação piora.

“É uma doença recorrente. Em geral, a pessoa tem vários episódios ao longo da vida. Aquela que teve uma vez tem 50% de chance de ter uma segunda. Quem teve dois quadros tem cerca de 75% de chance de ter um novo episódio. Quanto mais episódios, maior a chance de ter um próximo”, afirma o psiquiatra Humberto Correa.

Doença que causa sintomas como desânimo, tristeza, falta de prazer, alterações no sono e no apetite, a depressão apresenta seus primeiros sinais no comportamento cotidiano da pessoa. Atos como começar a faltar ou mesmo chegar atrasado a compromissos, por exemplo, podem ser associados à doença. O uso abusivo do álcool como forma de aliviar a condição também deve ser visto como sinal de alerta.

“Pessoas próximas podem e devem ajudar porque o deprimido muitas vezes não reconhece o problema ou vai ter muita dificuldade em pedir ajuda pelas próprias características da doença”, alerta Correa.

O psicólogo e doutor em neurociência do comportamento Yuri Busin, que também é Diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental - Equilíbrio (CASME), ressalta que é preciso saber separar a condição de tristeza.

“É natural com que a gente fique triste em alguns momentos da nossa vida, a diferença é que na depressão, a tristeza, a falta de prazer e vontade permanecem durante um longo período de tempo, e não somente dois dias”, exemplificou.

Mesmo assim, não é apenas um sintoma que vai determinar se a pessoa sofre ou não com o transtorno. Busin explica que o diagnóstico é complexo e só quem pode fazê-lo são os psiquiatras. “Na verdade, o que os psicólogos podem formular são hipóteses diagnósticas, por isso nós trabalhamos muito em conjunto com os psiquiatras”.

Doença será a mais incapacitante até 2020

Segundo a OMS, o tratamento da depressão pode ser feito a partir do reconhecimento dos sintomas da doença
FreePik
Segundo a OMS, o tratamento da depressão pode ser feito a partir do reconhecimento dos sintomas da doença

Em dois anos, a depressão se tornará a condição mais incapacitante do mundo, de acordo com a previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS). A agência divulgou dados para alertar sobre os perigos da doença, mostrando que, em dez anos, o número de casos de depressão subiu 18%.

O Brasil o primeiro país no ranking de casos de depressão na América Latina. Aproximadamente 6% da população, um total de 11,5 milhões de pessoas, sofrem com a doença, de acordo com dados da OMS.

A agência alertou ainda para o fato de que metade dos casos de transtorno mental surge até os 14 anos de vida, mas a maioria não é detectada ou tratada. O levantamento feito pela agência mostrou que o público jovem merece atenção: o suicídio é a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos.

Já o uso de álcool e drogas ilícitas, segundo a OMS, permanece uma importante questão em diversos países, podendo levar a comportamentos de risco como sexo sem proteção e direção perigosa. Transtornos alimentares, de acordo com a entidade, também são fonte de preocupação.

“Felizmente, há um crescente reconhecimento da importância de ajudar os jovens a construir a resiliência mental, desde as primeiras idades, a fim de lidar com os desafios do mundo de hoje. Crescem as evidências de que promover e proteger a saúde do adolescente traz benefícios não apenas à saúde deles, tanto a curto como a longo prazo, mas também às economias e à sociedade, com jovens adultos saudáveis capazes de fazer contribuições maiores à força de trabalho, famílias, comunidades e sociedade como um todo”, informou a OMS, por meio de comunicado.

Ainda de acordo com o organismo, muito pode ser feito para ajudar a construir resiliência mental desde cedo e contribuir para a prevenção do sofrimento mental entre adolescentes e jovens adultos. A prevenção, segundo a entidade, começa com o conhecimento e a compreensão dos primeiros sinais e sintomas de alerta de transtornos mentais.

“Pais e professores podem ajudar a construir habilidades em crianças e adolescentes para ajudá-los a lidar com os desafios cotidianos em casa e na escola. O apoio psicossocial pode ser fornecido em escolas e outros ambientes comunitários e, é claro, o treinamento de profissionais de saúde para que eles possam detectar e gerenciar transtornos de saúde mental pode ser implementado, aprimorado ou ampliado”, destacou a organização.

Leia também: “100% de quem se suicida têm uma doença mental”, diz presidente da Apal

“O investimento por parte dos governos e o envolvimento dos setores social, saúde e educação em programas abrangentes, integrados e baseados em evidências para a saúde mental dos jovens é essencial. Esse investimento deve estar vinculado a programas de conscientização de adolescentes e jovens sobre formas de cuidar de sua saúde mental e ajudar colegas, pais e professores a apoiar seus amigos, filhos e alunos”, concluiu a OMS sobre o tratamento da depressão .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.