Tamanho do texto

Resolução do governo federal ainda passa por análise e deve ser votada em breve para entrar em vigor

selo

Anvisa quer proibir cigarro com
iG Arte
Anvisa quer proibir cigarro com "sabor"
Está pronta a nova versão da resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proíbe o uso de produtos como canela, menta e cravo nos cigarros consumidos no Brasil. O texto, que será distribuído hoje aos diretores para análise, mantém o veto à adição de produtos ao tabaco, mas abre exceção para o açúcar. Ele poderá ser usado, por pelo menos mais um ano, quando o assunto será retomado.

Infográfico : Veja como o cigarro age dentro do corpo

A proposta também estabelece um prazo para interrupção da fabricação e comercialização dos cigarros com demais aditivos. A minuta da nova resolução deverá ser votada em breve pela Anvisa. O diretor da agência, José Agenor Alvares da Silva, quer que o assunto seja incluído na reunião pública marcada para dia 14. "É um tema de grande interesse. É importante garantir a transparência", disse.

Mapa: Onde estão os fumantes do País?

A versão que será discutida é mais branda que o texto original, colocado em consulta pública em novembro de 2010. A primeira proposta previa a retirada de todos aditivos, incluindo o açúcar. A sugestão seguia os princípios da Convenção Quadro do Tabaco, um acordo internacional com regras para prevenção e combate ao tabagismo do qual o Brasil é signatário.

A adição de produtos como chocolate, baunilha ou menta, afirmam especialistas, é uma das principais estratégias da indústria para incentivar o jovem a experimentar o cigarro. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, 45% dos fumantes de 13 a 15 anos consomem cigarros com sabor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

AE

Continue lendo:

alt
" /
iG Arte

As substâncias químicas presentes no cigarro

Cigarro eletrônico: proibido no Brasil desde 2009
Getty Images
Cigarro eletrônico: proibido no Brasil desde 2009

Cigarro eletrônico também faz mal. Veja os prejuízos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.