Tamanho do texto

Recurso vai ajudar a planejar melhor as cirurgias de retirada de tumores e deve aumentar as chances de recuperação dos pacientes

Com fundos da União Europeia (UE), uma equipe de cientistas e cirurgiões europeus desenvolveu um "fígado virtual" para ajudar a planejar melhor as operações para retirada de tumores – recurso  também poderá aumentar as probabilidades de recuperação dos pacientes.

Intitulado PASSPORT (Simulação específica de pacientes e formação pré-operatória realista), o projeto foi desenvolvido para auxiliar os cirurgiões com um serviço que os ajuda a decidir se devem ou não operar um paciente, informou nesta quinta-feira a Comissão Europeia (CE).

Com o uso do "fígado virtual", os cirurgiões poderão ver exatamente onde se encontra o tumor no paciente e, principalmente, como deverão intervir para extirpá-lo com sucesso.

Segundo a Comissão Europeia, menos de 50% dos pacientes afetados são submetidos a uma operação cirúrgica, um índice considerado baixo. No entanto, essa porcentagem poderia aumentar com a chegada do "fígado virtual".

Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia e comissária europeia da Agenda Digital, afirmou que a tecnologia desenvolvida pelo projeto PASSPORT "é um marco que melhorará o diagnóstico, as intervenções cirúrgicas e permitirá salvar vidas".

O projeto, que começou em junho de 2008 e foi concluído somente no último mês de dezembro, teve um custo total de 5,5 milhões de euros, dos quais 3,6 milhões vieram de fundos da UE.

Siga lendo notícias de Saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.