Tamanho do texto

Expectativa é dobrar o número de cirurgias e reduzir a fila de espera pelo órgão

selo

A equipe do Serviço de Cirurgia Torácica e Transplante Pulmonar do Instituto do Coração, em São Paulo, foi autorizada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) a implantar pulmões recondicionados em pacientes.

Esses órgãos ficam aptos depois de passar por uma técnica desenvolvida na Suécia , que lhes devolve a capacidade de oxigenar o sangue – sem o procedimento, seriam descartados. As primeiras cirurgias com a nova técnica estão previstas para agosto.

Na primeira fase da pesquisa, no ano passado, 24 pulmões foram recuperados no Incor, sem que fossem implantados nos pacientes. O nível de oxigenação no sangue que circula pelos pulmões “salvos” melhorou em média 150%. No mesmo período, o Incor fez 30 transplantes do órgão. A expectativa é de que a técnica permita que se dobre o número de pacientes transplantados.

Veja o infográfico: O panorama dos transplantes no Brasil

“O pulmão é o órgão que mais rapidamente se degenera. De dez doadores não vivos de rim, a chance de aproveitar o pulmão desses doadores é de 10%. Acreditamos que poderemos alcançar entre 15 e 20% com o recondicionamento dos órgãos”, afirma o chefe do Serviço de Cirurgia Torácica e Transplante Pulmonar do Incor, Fabio Jatene. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga lendo sobre transplantes:

A história emocionante de um doador transplantado

A médica pioneira em transplantes de coração

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.