Tamanho do texto

Novos dados da secretaria de saúde da cidade revela aumento de hepatites virais em cinco anos

selo

Os dados são do Ambulatório de Hepatites do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids (CRT DST/Aids), ligado à Secretaria Estadual de Saúde. Em 2004, quando a unidade iniciou suas atividades, foram identificados 388 casos da doença, número que pulou para 609 em 2009 - ano do último dado consolidado disponível.

Tanto em homens como em mulheres diagnosticados com hepatite, o tipo C foi o mais prevalente na amostra do CRT, justamente a forma mais perigosa da doença - já que está mais associada à evolução para quadros de cirrose, segundo os especialistas. O contato com sangue contaminado é a forma mais comum de transmissão - um alicate de unha não esterilizado, por exemplo, pode transmitir. Entre os pacientes do sexo masculino contaminados, 51,8% eram portadores do tipo C, índice que chegou a 69,8%na população feminina.

No caso do tipo B, de contágio prioritariamente sexual, a proporção de infectados entre os homens é quase o dobro em relação às mulheres: 33,1% dos pacientes masculinos diagnosticados com hepatite tinham essa variante da doença, ante 18,1% das mulheres. Mas já é possível, via Sistema Único de Saúde (SUS), se vacinar contra o tipo B, possibilidade que não existe para o subtipo C.

No total, o CRT diagnosticou 4.164 casos de hepatites virais, sendo que a doença se mostrou predominante no público masculino, que responde por quase 70% dos casos. Para o hepatologista Fernando Pandullo, do Hospital Israelita Albert Einstein, isso pode ser resultado da maior exposição masculina à atividade sexual desprotegida, uso de drogas e riscos de ferimentos - formas de contaminação associadas à doença.

Segundo Pandullo, a hepatite é uma doença geralmente esquecida pela população. "A maioria das pessoas tem medo de morrer do coração ou de câncer, mas esquece de quadros crônicos, como a hepatite, e não pede para os médicos pesquisarem a presença desses vírus". A própria característica da hepatite, doença que geralmente não provoca sintomas, agrava ainda mais a situação. As informações são do Jornal da Tarde.

Leia mais:
SUS amplia público alvo de vacinação contra hepatite B
Hepatite faz com que 40% das córneas doadas sejam descartadas
Vacinas do futuro: menos dor e mais versatilidade

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.