Minha Saúde

enhanced by Google
 

Fiocruz vai fabricar remédio contra Parkinson

Doença surge quando há degeneração das células no cérebro, comprometendo os movimentos do corpo. País tem cerca de 200 mil doentes

AE | 03/11/2011 20:23

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

selo

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou hoje a transferência de tecnologia do medicamento pramipexol, para o tratamento da doença de Parkinson, com o laboratório alemão Boehringer Ingelheim. Em cinco anos, o remédio será fabricado no Brasil. Nesse período, o governo economizará R$ 65 milhões na compra desses comprimidos.

"A doença de Parkinson integra o campo das doenças neurológicas, que são doenças que têm a ver com o processo do envelhecimento da população. Essa é uma área que precisa ter uma política muito bem direcionada, para não ficarmos defasados e dependentes do ponto de vista da produção externa", afirmou o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha.

A doença de Parkinson surge quando há uma degeneração das células no cérebro, que deixam de produzir a substância dopamina, neurotransmissor ligado aos movimentos do corpo. Quando os níveis de dopamina caem, o paciente apresenta os sintomas de rigidez muscular e tremores. O medicamento imita a ação da dopamina no cérebro e interrompe a degeneração das células e a perda da coordenação motora - por isso é indicado para o início do tratamento.

Hoje, o País tem cerca de 200 mil pacientes com a doença, de acordo com a Associação Brasileira de Parkinson. O tratamento mensal com pramipexol custa R$ 680, o que equivale a um gasto anual de R$ 8.160. O governo compra o medicamento com desconto de 30%. O Ministério da Saúde repassa 37 milhões anuais para a compra de medicamentos por municípios e Estados, que complementam o valor do medicamento.

A transferência de tecnologia prevê a redução gradual do valor unitário do comprimido. Na forma de 1mg, por exemplo, o valor unitário passará de R$ 3,58 no primeiro ano para R$ 1,71, no último ano.

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) ficará à frente da produção. "Hoje não há compra centralizada. O governo federal repassa o dinheiro para que Estados e municípios comprem o medicamento. Acredito que, com o barateamento do custo de fabricação, haverá crescimento da demanda", afirmou o diretor de Farmanguinhos, Hayne Felipe da Silva.

Siga o iG Saúde no Twitter
Leia mais notícias de saúde

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo