Tamanho do texto

Primeiro estudo sobre a aplicabilidade das informações contidas no genoma aponta que ele não é um oráculo genético

selo

Sequenciar genomas humanos inteiros está cada vez mais rápido, mais barato, e deverá em breve se tornar uma prática de rotina.

Mas quem apostar nessa tecnologia como um oráculo genético infalível para orientar seu estilo de vida corre sérios riscos de sair no prejuízo, segundo uma pesquisa publicada ontem na revista Science Translational Medicine.

Leia: O que o genoma pode fazer pela sua saúde

O estudo avalia, pela primeira vez de maneira quantitativa, a capacidade da medicina de avaliar riscos e prever a ocorrência de doenças com base no sequenciamento do genoma inteiro de uma pessoa. A conclusão é que o poder informativo do genoma, analisado de um ponto de vista prático (ou seja, de relevância clínica), é bastante limitado para a maioria das doenças, no caso de pessoas saudáveis, apesar de ser benéfico para alguns quadros clínicos específicos.

Siga o iG Saúde no Twitter

"Imagine, por exemplo, que o sequenciamento se torne tão barato que todas as pessoas possam ter seu genoma sequenciado ao nascer. Que fração da população se beneficiaria desse sequenciamento?", é a pergunta que os pesquisadores tentam responder.

Quer relembrar os conceitos básicos de genética? Acesse: Por dentro do genoma

Para tanto, coletaram dados sobre a ocorrência de 24 doenças em milhares de pares de gêmeos idênticos. E, associado a isso, desenvolveram modelos matemáticos, baseados em critérios genéticos, para estimar a relevância clínica de sequenciar o genoma inteiro de pessoas sadias - sem sintomas ou histórico familiar que justifiquem a busca por mutações específicas.

Foram considerados vários tipos de câncer , doenças autoimunes, cardiovasculares (como risco de AVC ), neurológicas (incluindo Parkinson e Alzheimer ) e relacionadas à obesidade (como o diabetes ). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga lendo:
Quer viver mais de 100 anos? Vai depender dos seus genes
O mapa dos genes
Década da genética: no Brasil, ainda há muito a ser feito

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.