Tamanho do texto

Homem achava que tumor era um inchaço da glândula tireoide e só procurou ajuda médica quando a dor ficou insuportável; imagens consideradas fortes

Somai foi operado no dia 12 de julho e segue em recuperação para, então, voltar para sua casa
Reprodução/Facebook
Somai foi operado no dia 12 de julho e segue em recuperação para, então, voltar para sua casa

Depois de passar 20 anos ignorando um tumor gigante que crescia em seu pescoço achando que era apenas uma glândula tireoide inchada, o agricultor indiano Somai - que não quis revelar o sobrenome -, de 55 anos, precisou procurar ajuda médica quando a massa começou a ficar maior do que a sua própria cabeça.

Leia também: Após meses com dores, mulher retira cisto no ovário gigante de 22,6 quilos; veja

Contudo, o que Somai achava ser uma alteração na glândula tireoide era, na verdade, um tumor gigante não canceroso, mas que chegou a pesar 1,4 kg, o equivalente ao peso de três litros de leite.

Indiano confundiu o tumor gigante com glândula tireoide inchada por 20 anos
Reprodução
Indiano confundiu o tumor gigante com glândula tireoide inchada por 20 anos

Ao buscar atendimento especializado por conta das dores terríveis que sentia, os médicos informaram que era necessário retirar o tumor. Os exames revelaram que era o caso se tratava de um tumor submandibular - o que significa que começou em sua glândula salivar.

O caso era “bastante raro”, segundo os profissionais do Hospital Médico King George em Lucknow, localizado a cerca de 480 quilômetros a sudeste de Nova Déli.

Os cirurgiões realizaram uma operação de três horas e meia no pescoço do agricultor para remover o crescimento. Agora, Somai, que é de Basti, no estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, está se recuperando no hospital e será enviado para casa nos próximos dias.

Mesmo no período de reabilitação, agora ele pode mover a cabeça sem dor pela primeira vez em anos. Em entrevista ao Daily Mail, o indiano afirmou que recebeu uma nova vida depois que os médicos removeram a massa enorme de seu pescoço.

Apesar do incômodo que pode causar, cerca de metade dos tumores - como os de Somai - são benignos e não cancerígenos, e muitos podem ser curados com cirurgia.

Retirada do tumor gigante

Para retirar a massa de 1,4 kg do pescoço de Somai, médicos levaram três horas e meia
Reprodução
Para retirar a massa de 1,4 kg do pescoço de Somai, médicos levaram três horas e meia

O Dr. Onkar Vedak, que fazia parte da equipe cirúrgica do Hospital da Universidade Médica de King George, falou sobre o procedimento, que considerou “desafiador”.

“[Somai] visitou nosso departamento de pacientes ambulatoriais no dia 12 de julho, e nós o internamos. Depois de analisar os relatórios de varredura, decidimos remover o crescimento o mais cedo possível e a cirurgia foi realizada no dia seguinte, 13 de julho”, afirmou ele.

"Era um tumor submandibular e pressionava com força as artérias carótidas, que são os principais vasos sangüíneos no pescoço que fornecem sangue para o cérebro, pescoço e face", completou.

Tumores submandibulares

As artérias carótidas são vasos sanguíneos vitais e aquelas em que você pode sentir o pulso quando coloca o dedo no pescoço.

O tumor de Somai nasceu de uma glândula salivar, dos quais existem três ao longo da linha da mandíbula.

Os tumores nas glândulas submandibulares tendem a ser menores e estão logo abaixo da mandíbula. Entre 10% e 20% dos tumores da glândula salivar começam nessa região e cerca de metade deles são cancerígenos.

"As glândulas submandibulares estão abaixo da mandíbula", acrescentou Vedak. Eles secretam saliva debaixo da língua. Segundo o médico, se os nódulos fossem pequenos, teria sido fácil de operar, mas Somai estava carregando um caroço maciço.

A cirurgia foi conduzida pelo cirurgião-chefe Dr. Sunil Kumar, e assistida pelo Dr. Onkar Vedak, Dr. Priyanka Shrivastava, Dr. Krishna Choubey, Dr. Ampu Hage e o anestesista Dr. Ehsan Siddique.

Meio século vivendo com tumor gigante na nuca

Chinês com tumor gigante no pescoço demorou 50 anos para fazer a remoção da massa
Reprodução/Facebook
Chinês com tumor gigante no pescoço demorou 50 anos para fazer a remoção da massa

Histórias como a de Somai são comuns, ainda mais em regiões menos favorecidas economicamentes ao redor do mundo. O chinês Zhao Xingfu pode se ver novamente como veio ao mundo após 50 anos, quando ficou sem o peso no pescoço de um tumor gigante, de quase 15 quilos .

Com o tempo, o que começou com um caroço, passou a ganhar uma forma muito maior, afetando completamente a vida de Xingfu.

Para remover o tumor , os cirurgiões passaram 10 horas trabalhando na parte de trás do pescoço do homem. O procedimento foi realizado no Guizhou Cancer Hospital pelo médico Dong Shixiang.

Segundo o Dr. Shixiang, a cirurgia foi bastante complicada, mas foi possível remover 95% do tumor. “Em todos os meus anos de profissão, nunca vi um tumor tão grande”, afirmou o médico.

Apesar de ter sido operado por médicos, Xingfu diz que quem realmente foi o responsável por retirar seu tumor foi seu filho Zhao Jianjiang. Ele, que nunca tinha visto o pai sem a condição, percebeu o pai não conseguia mais caminhar sem problemas por conta do tamanho do crescimento do tecido e decidiu levantar dinheiro com a família para pagar a cirurgia.

Xingfu, hoje com 64 anos, afirmou que começou a perceber o tumor com apenas 17 anos. Desde então, o chinês passou a ignorá-lo, primeiro por ser indolor e segundo por não poder pagar um tratamento adequado.

Agora, em casa, uma semana após a cirurgia, Xingfu está se recuperando normalmente. Apesar de sentir-se "aliviado" pelo sucesso da operação, ele disse brincando, que não está acostumado a viver sem a condição.

Lipoma

A massa retirada do pescoço de Xingfu pesava cerca de 15 quilos, segundo os especialistas
Reprodução/Facebook
A massa retirada do pescoço de Xingfu pesava cerca de 15 quilos, segundo os especialistas

De acordo com os especialistas, o chinês tinha um lipoma , que são tumores cutâneos benignos, formados por células de gordura maduras. A incidência não é pequena, estima-se que 10% da população pode ser esse tipo de tumor, o que equivale a uma prevalência de 2,1 por 1.000 pessoas.

Geralmente, as regiões subdérmica e subcutânea são as que mais abrigam os lipomas, que podem-se localizar em qualquer parte do corpo, incluindo vísceras e cavidades.

Na maioria dos casos, os lipomas surgem na faixa etária de 40 a 60 anos e são raros em crianças e adolescentes, como no caso de Xingfu.

Os tumores se apresentam como massas de crescimento lento sem sintomas de dor ou comprometimento funcional.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o diagnóstico é clínico para os que apresentam lipoma subcutâneo típico na maioria das vezes. Nos casos de lipoma grande (maiores do que 5 centímetros), de forma irregular e com sintomas de envolvimento miofascial, a imagem é justificada por ultrassom, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RNM). A imagem também deve ser obtida se a biópsia de tecido indicar a presença de uma massa infiltrada.

Em muitos casos, o tratamento é dispensado, mas é necessário o acompanhamento clínico. No entanto, as indicações para a remoção de um lipoma incluem preocupações cosméticas, quando causam alterações nervosas, dor e consequentes limitações funcionais.

Leia também: Cega por conta de um tumor gigante no olho, jovem vive escondendo o rosto

Outras indicações para a remoção de lipomas grandes, como no caso do tumor gigante , incluem aumento de tamanho, características irregulares (induração), tamanho maior do que 5 centímetros, amostras de biópsia de agulha do núcleo consistente com características atípicas ou outras características mais consistentes com um sarcoma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.