Tamanho do texto

Sair do sedentarismo para a prática de alguma atividade física representa grande redução de riscos cardiovasculares

A brincadeira com as crianças é válida como atividade física e ajuda o coração
Thinkstock/Getty Images
A brincadeira com as crianças é válida como atividade física e ajuda o coração
Prefira as escadas em vez do elevador. Faça para uma caminhada após o jantar. Brinque de pega-pega com seus filhos no parque.

Uma nova pesquisa mostrou que mesmo pequenas sessões de exercício – cerca de 150 minutos, ou 2,5 horas, de atividade moderada por semana – podem reduzir o risco de doença cardíaca em aproximadamente 14%.

Saia do sedentarismo já! Conheça o Programa de Caminhada do iG Saúde

Segundo o estudo, quem faz mais – cerca de 300 minutos por semana, ou cinco horas – reduz o risco de problemas ao coração , incluindo ataque cardíaco e angina , em 20%, comparado a pessoas que não praticam qualquer exercício.

"Alguma atividade física é melhor do que nenhuma. E quanto mais, melhor", disse Jacob Sattelmair, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Harvard, em Boston (EUA), autor do trabalho.

Exercício só no final de semana: pode?

Os benefícios do exercício continuam a somar. Pessoas que disseram se exercitar por 750 minutos por semana (ou 12,5 horas) apresentaram uma redução de 25% no risco de doenças cardíacas. Mas isso representa muito mais horas de exercícios por apenas uma pequena redução de risco adicional, observou Sattelmair.

"A grande vantagem é iniciar uma atividade física", disse Sattelmair, agora diretor de pesquisa e estratégia da Dossia, organização em Cambridge, Massachusetts, cujo objetivo é melhorar a saúde do empregado, reduzindo custos.

"Se você passou de zero para 2,5 horas por semana, o benefício relativo é maior do que passar, digamos, de 5 a 7,5 horas por semana."

Faça o teste: Qual a atividade física ideal para você?

No estudo, publicado online no início deste mês no site do periódico Circulation, Sattelmair e seus colegas analisaram os resultados de 33 pesquisas que avaliaram os benefícios dos exercícios para a saúde.

Por razões que os pesquisadores desconhecem, as mulheres teriam ainda mais benefícios de proteção do que os homens, embora isso possa ter sido uma peculiaridade das estatísticas, disseram os cientistas.

Leia também: Exercícios podem proteger mulheres de demência

Mesmo que as diretrizes atuais dos EUA estabeleçam a prática de 150 minutos de exercícios de moderados a vigorosos por semana, os pesquisadores também encontraram benefícios entre pessoas que fizeram menos do que isso (75 minutos semanais), com diminuição do risco de doenças cardíacas em comparação a sedentários.

"Se você não está fazendo nada, faça alguma coisa. E se você está fazendo algo, como caminhar 10 ou 15 minutos, duas a três vezes por semana, faça um pouco mais", disse Barry Franklin, diretor do programa de cardiologia preventiva do Hospital William Beaumont em Royal Oak, Michigan (EUA), e porta-voz da American Heart Association.

Dicas: 8 maneiras de introduzir exercícios no seu cotidiano

Atividade física moderada inclui andar rapidamente, fazer jardinagem, jogar tênis em dupla ou dançar. Atividade vigorosa significa correr, nadar, caminhar em subidas ou pular corda. Os pesquisadores não analisaram se exercícios vigorosos eram melhores do que os moderados para a saúde do coração. Pesquisas anteriores já apontaram inúmeros benefícios da atividade física, disse Franklin. Movimentar-se fortalece o coração e os pulmões .

Pessoas fisicamente ativas também tendem a ter menor pressão arterial e melhor frequência cardíaca de repouso, o que exige menos do coração. Exercício pode ainda aumentar a sensibilidade à insulina, que é importante para a prevenção de diabetes , e aumentar modestamente o HDL, o bom colesterol.

Outros estudos sugerem que os exercícios reduzem marcadores inflamatórios que podem desencadear ataques cardíacos; podem reduzir a probabilidade de coágulos que levam a ataque cardíaco e acidente vascular cerebral (AVC); e diminuem o risco de arritmias com risco de vida (batimento cardíaco irregular).

No entanto, a atividade física não é a única chave para prevenção de doenças do coração. Seguir uma dieta saudável , manter o peso corporal equilibrado ( calcule aqui seu IMC ), evitar altos níveis de estresse , e manter a pressão arterial e os níveis de colesterol sob controle também contribuem.

E tão importante quanto um programa de atividade física regular é movimentar-se cotidianamente, disse Franklin. Pesquisas recentes têm sugerido que não são só aulas ou sessões formais que fazem bem à saúde, mas também o exercício incidental que inclui você andar pelo shopping, subir e descer as escadas, limpar a casa, ou cortar a grama.

"Além de seu programa de exercícios estruturados na academia, atividades ‘disfarçadas’ também podem ter profundo impacto sobre o risco cardiovascular", disse Franklin. "A mensagem para levar para casa é: movimente-se mais; sente-se menos".

Siga o iG Saúde no Twitter

Continue lendo sobre saúde do coração
Você sabe se o seu coração está em risco?
Os muitos sinais do infarto
Os três inimigos dos homens que aumentam o risco cardíaco
As vilãs femininas que ameaçam o coração
Saiba o que fazer quando uma pessoa infartar ao seu lado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.