Tamanho do texto

O temido H1N1 comporá o trio de vírus causadores da doença. Campanha de vacinação começa amanhã, dia 25

Vacinação segue na recomendação contra a gripe
AE
Vacinação segue na recomendação contra a gripe
Mutante e imprevisível, a gripe invariavelmente volta à cena nas épocas de baixas temperaturas, período em que acumula pacientes nos hospitais do País.

Depois da experiência com o rosto inédito e agressivo da gripe A H1N1, especialistas estimam que três tipos estarão circulando no Brasil durante o período de frio.

Além do já famoso e recente H1N1 (causador da chamada gripe suína), os brasileiros enfrentarão os antigos H3N2 e o vírus tipo B da gripe.

Nesta segunda-feira, dia 25, começa a campanha de vacinação em massa para proteger a população dos três tipos de vírus da gripe. Até o dia 13 de maio, 65 mil postos em todo o País vão vacinar gratuitamente pessoas com mais de 60 anos, crianças menores de 2 anos e grávidas em qualquer período da gestação. No sábado seguinte ao início da campanha, 30 de abril, ocorrerá o Dia de Mobilização Nacional para estimular a ida da população aos pontos de imunização.

O aprendizado com o H1N1

A epidemia do influenza H1N1 em 2009 e 2010 mostrou a faceta nova do vírus, drástica e perigosa. Por ser um tipo novo da doença, até então desconhecido, os riscos eram praticamente universais, o que exigiu uma vacinação especifica e em larga escala.

Embora o conhecimento adquirido ajude a ampliar a proteção, este ano os brasileiros não estão livres de assistir a um fenômeno parecido com o vivido nos dois últimos anos, alertam especialistas.

“O lado bom dessa experiência foi mostrar ao mundo que a gripe não é banal e exige vacinação. Há muitos anos brigamos pela inclusão das gestantes e crianças na vacinação pública, pois são dois grupos de alta mortalidade”, avalia Isabela Ballai, diretora da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm).

Veja o especial: Vacinas do futuro, menos dor e mais versatilidade

O trio de vírus que deve ameaçar a saúde dos brasileiros neste inverno tem comportamento e gravidade semelhantes. Segundo Nancy Ballei, professora, diretora e coordenadora do Setor de Viroses Respiratórias da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o vírus H1N1, com o passar dos anos, vai transformar-se em sazonal, assim como os demais.

Alerta: Redes sociais comprometeram vacinação da gripe H1N1

“É impossível dizer qual será o mais prevalente. Não sabemos o quanto de cada um irá circular. Os números são extremamente variáveis, mesmo em regiões próximas. O vírus tipo B e H3N2 são perigosos como o H1N1.”

Vacina três em um

Para blindar o organismo, a vacinação deste ano nas redes privada e pública deixa de ser monovalente – atacar um vírus específico de uma vez só – e passa a ser trivalente, ou seja, protege o organismo dos três tipos possivelmente presentes no País.

Quem já teve a influenza nos anos anteriores não está salvo de uma nova contaminação. Embora a reação do organismo possa ser mais ativa, e a manifestação da doença mais branda, não há garantias de proteção sem a vacina deste ano.

Faça o teste: Você sabe cuidar da sua saúde no inverno?

“A vacinação no ano passado foi focada em conter o vírus novo. Ele não foi eliminado, apenas passou a ser conhecido. A imunização é anual e recomendada a toda população, independentemente da cobertura pública de vacinação (realizada em 2010)", pontua a diretora da SBIm.

As especialistas ainda alertam que a contaminação não é excludente. Pacientes diagnosticados com uma espécie de vírus não estarão ilesos de uma contaminação futura por um dos outros dos tipos.

Zé gotinha para adultos

Embora na rede pública de saúde o alcance seja limitado às gestantes, idosos e menores de dois anos, a vacinação deve ser universal. Os adultos de 18 a 59 anos não fazem parte do grupo de risco estipulado pelo Ministério da Saúde, mas são vetores de transmissão da doença, que é uma das maiores causas de faltas no trabalho.

Além do fator custo, outra causa que mantém esse grupo longe da proteção é o medo da agulha, defende Lucia Bricks, diretora de Saúde Pública da Sanofi Pasteur. Divididos por gênero, a estatística da médica é ainda mais surpreendente: os homens são ainda mais temerosos do que as mulheres. Denominado tripanofobia, o pânico de levar uma picada atinge de 3 a 20% da população adulta.

Para quem sofre de tal mal, a Sanofi lança no mercado brasileiro a vacina intradérmica. Com uma agulha 10 vezes menor que a tradicional, e muito mais fina, a empresa promete antídoto contra a gripe sem dor e trauma. A alternativa para o medo também é trivalente (protege contra os três possíveis vírus da doença) e custará, em média, de R$ 60 a 70 em clínicas particulares.

“A proposta é oferecer uma nova possibilidade a esse público adulto. Pessoas com problemas de coagulação sanguínea também são beneficiados, pois a vacina é menos invasiva, não atinge músculos nem os vasos. Esperamos ampliar o acesso e diminuir as lacunas da vacinação no Brasil”, defende Lúcia Bricks.

Leia também: Bebê prematuro precisa de vacinação especial


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.