Tamanho do texto

Falsificações do anticancerígeno Avastin teriam sido vendidas para pelo menos 19 hospitais norte-americanos, diz FDA

Roche: laboratório anunciou descoberta de imitações do Avastin e advertiu que o uso não é seguro
Sebastien Bozon / AFP
Roche: laboratório anunciou descoberta de imitações do Avastin e advertiu que o uso não é seguro
O laboratório Roche anunciou nesta quarta-feira a descoberta de imitações de seu medicamento Avastin, destinado a combater diversos tipos de câncer, e advertiu que seu uso não é seguro.

O Avastin também é comercializado no Brasil, mas até agora não há informações sobre se a fraude está ocorrendo por aqui.

"Fomos informados pelas autoridades americanas que foram descobertas imitações", afirmou uma porta-voz do grupo farmacêutico suíço Roche, em Zurique.

"A investigação está em curso e colaboramos com as autoridades" americanas, completou.

"No momento, sabemos que o produto falsificado não contém o princípio ativo do Avastin", declarou à AFP Charlotte Arnold, porta-voz da Genentech, filial americana da Roche, com sede em San Francisco.

"Como consequência, não é seguro nem eficaz e não deve ser utilizado. Não é Avastin (...), não trata o câncer, portanto é perigoso por definição", completou, indicando que a Roche colabora com as autoridades americanas na investigação do caso.

Vários lotes presentes nos Estados Unidos com a menção "Avastin 400 mg/16 ml" – com números de série B86017, B6011 e B6010 – foram apontados como suspeitos de serem falsificações.

Leia: Cresce a falsificação de medicamentos para tratamento de câncer e saúde mental

A Genentech afirmou que os lotes falsos não se assemelham ao produto oficial, que foi aprovado pela Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) americana.

A FDA informou em um comunicado que enviou um e-mail advertindo "19 hospitais nos Estados Unidos que compraram medicamentos anticancerígenos não aprovados e que estes poderiam ser falsificações de Avastin".

Os hospitais compraram os remédios falsos da Quality Specialty Productos (QSP), um fornecedor estrangeiro também conhecido como Montana Health Care Solutions. A Volunteer Distribution, com sede em Gainesboro (Tennessee, leste) distribui os produtos da QSP, informou a FDA.

"A FDA pediu (aos 19) hospitais que não utilizem os produtos que vieram desses distribuidores", completou a agência.

A porta-voz da Roche afirmou por sua vez que "os fornecedores mencionados na nota da FDA não estão autorizados pela Genentech a distribuir Avastin".

Siga o iG Saúde no Twitter

O Avastin, utilizado para tratar o câncer colorretal, de pulmões e de rins, está entre os medicamentos mais vendidos pela Roche, com um volume de negócios de cerca de 5.800 dólares em 2011.

Em novembro, a FDA retirou da Roche a autorização para utilizar o Avastin em tratamentos de câncer de mama avançado, dado que o medicamento se revelou ineficaz e arriscado para essa doença.

Em nota oficial a Roche do Brasil informou que, no País, "até a presente data, não houve registro ou denúncia de falsificação do medicamento Avastin (bevacizumabe)". A empresa acrescentou que o a Roche não vende medicamentos para pessoas físicas, e que a comercialização é feita por venda direta a clínicas, hospitais e distribuidores credenciados pela empresa.

Siga lendo notícias sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.