Tamanho do texto

Objetivo é aperfeiçoar os programas de prevenção à doença

selo

Uma pesquisa que será realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo pretende mapear o comportamento gay para aperfeiçoar programas de prevenção à aids . Cerca de mil questionários serão aplicados ao longo dos próximos três meses do projeto na região central da cidade. Além dos questionários, serão oferecidos testes de HIV .

Leia: Cresce o contágio da aids entre jovens gays e idosos

Batizado de projeto SampaCentro, o estudo, elaborado em parceria com a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, tem por objetivo conhecer melhor os hábitos de gays, homens que fazem sexo com homens e travestis no centro de São Paulo e sobre práticas sexuais e prevenção do HIV, além de possibilitar o aprimoramento das ações de prevenção à Aids.

Dados epidemiológicos do programa estadual de DST/Aids, da Secretaria, apontam que a prevalência de HIV/Aids entre a população geral é de 0,6%, enquanto em gays e outros HSHs (homens que fazem sexo com homens) chega a 10,5%.

Leia: Mitos e verdades da aids

A pesquisa, coordenada pelo Centro de Referência em DST/Aids será feita nos bairros da República e Consolação. Serão abordados frequentadores de bares, boates, academias, cinemas e outros espaços da região central. Quem aceitar colaborar voluntariamente com a pesquisa irá responder um questionário objetivo de caráter sociocomportamental e será convidado a realizar um teste anti-HIV.

O teste de HIV será realizado em um posto itinerante do projeto, que pode funcionar em uma van ou dentro dos estabelecimentos onde os pesquisadores estiverem atuando. Os dias, horários, locais e até as pessoas que serão abordadas serão escolhidos por sorteio para garantir a representatividade do trabalho.

Leia o especial sobre aids:
Descoberta da Aids completa 30 anos
Aids: descobridores do vírus lembram sua odisseia 30 anos depois
Filhos da aids: como revelar o diagnóstico às crianças

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.