Tamanho do texto

Veja como funciona e quem pode se submeter ao procedimento odontológico para sair do consultório com sorriso branco e saudável

Sorriso de artista: dentes brancos em poucas sessões
Thinkstock/Getty Images
Sorriso de artista: dentes brancos em poucas sessões
Um sorriso abre portas. Se ele for branco e brilhante, como o de astros e estrelas, ainda melhor.

Não é a toa que o clareamento dental está entre os tratamentos odontológicos mais buscados pelos pacientes nos consultórios.

Faça o teste: Você sabe cuidar da sua boca?

“O clareamento realizado em consultório tem sido bastante procurado e consiste na aplicação de um gel de peróxido de hidrogênio em alta concentração. A principal vantagem dessa técnica são os resultados estéticos alcançados em poucas e curtas sessões, dependendo, é claro, da alteração de cor”, explica Ana Cecilia Aranha, professora doutora do departamento de dentística da Faculdade de Odontologia da USP (FOUSP), vice-coordenadora do Laboratório Especial de Laser em Odontologia (LELO-FOUSP).

Faça o teste e descubra se você tem medo de dentista

No entanto, o procedimento requer do cirurgião-dentista conhecimento técnico e cuidados especiais não apenas com as estruturas do dente (esmalte e dentina), mas com os tecidos moles da boca, como a gengiva e a língua. Com a ajuda da professora Ana Cecilia Aranha, da USP, e do professor Edgard Yuji Tanji, Doutor em Dentística, das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e Uninove, respondemos as principais questões em torno do tema.

Todo mundo pode fazer clareamento?
Quase todo mundo. “O procedimento é contra-indicado a grávidas , lactantes e menores de 16 anos”, diz Tanji. A indicação do clareamento dental, no entanto, exige o conhecimento prévio do que levou à alteração de cor para que se obtenha sucesso no tratamento. “A determinação dos motivos pelos quais o dente apresenta manchas pode reduzir o número de insucessos e evitar frustrações baseadas em expectativas irreais”, completa Ana Cecilia.

Quais são as técnicas de clareamento disponíveis hoje?

O clareamento pode ser feito em consultório, em casa (com o uso de moldeiras) ou ainda numa combinação das duas técnicas.

Feita em consultório, com aplicação de um gel clareador, a técnica tem resultados satisfatórios geralmente entre uma e três sessões de aproximadamente 40 minutos cada. "Para quem não tem pressa, a indicação é usar em casa uma moldeira com o produto (usualmente o peróxido de carbamida, com menor concentração), por pelo menos duas horas diárias, por cerca de duas ou três semanas”, afirma Tanji. Vale lembrar que, mesmo a técnica doméstica, deve ter orientação e acompanhamento de um profissional.

“A principal vantagem do procedimento em consultório é a possibilidade de supervisão constante do cirurgião-dentista sobre todo o processo de clareamento. Este controle é fundamental para evitar o uso indiscriminado dos peróxidos, o que deixaria o paciente suscetível a danos à saúde e aos dentes”, alerta Ana Cecilia.

O que é clareamento fotoativado?
É o procedimento que usa lasers ou LEDs (diodos emissores de luz) para acelerar a ação do agente ativo dos géis clareadores, o que melhora o efeito de clareamento. Muitas pesquisas questionam a utilização da luz laser como parte do processo do clareamento devido ao calor gerado, que pode causar problemas na polpa do dente. “Diversos estudos com diferentes agentes clareadores e diferentes técnicas foram realizados com o objetivo de aperfeiçoar o uso e criar técnicas mais seguras", afirma Ana Cecilia. Porém, ela assegura que a luz não é o fator determinante para o sucesso do clareamento dental.

O gel clareador pode causar algum dano à boca?
O peróxido de hidrogênio é um potente agente oxidante. Em altas concentrações, ele pode ser tóxico para os tecidos moles da boca e para a saúde do corpo. “O uso de barreiras gengivais na técnica de consultório é fundamental. Rolos de algodão e abridores bucais com retratores de língua também devem ser utilizados para proteger os lábios e a língua e evitar, principalmente, que a pessoa ingira o produto”, diz Ana Cecilia.

Leia também: primeiros socorros para casos de intoxicação (por medicamentos ou produtos químicos)

É preciso tratar cáries antes de clarear os dentes?
Sim. A cárie deve ser diagnosticada para que os procedimentos clínicos adequados sejam realizados e possibilitem o tratamento clareador. Pacientes com alto risco de cárie devem primeiro controlar a doença, com procedimentos preventivos ou restauradores provisórios.

Quem tem histórico de hipersensibilidade pode fazer clareamento?
É preciso, primeiramente, tratar a sensibilidade. Em alguns casos, o clareamento doméstico supervisionado também pode ajudar a diminuir a sensibilidade dental, isso porque são utilizados géis clareadores com substâncias dessensibilizantes, como fluoretos e nitrato de potássio.

“Porém, é preciso muito cuidado, visto que o clareamento doméstico não é capaz de limitar a área de exposição ao gel e, nestes casos, a dentina pode estar sendo desnecessariamente exposta, podendo gerar mais sensibilidade no paciente”, alerta Ana Cecília.

Fumantes conseguem ter sucesso no clareamento dos dentes?
Um dos aspectos limitantes, porém que não contra-indica o clareamento dental, é o hábito de fumar. Em pacientes fumantes, o resultado estético e a manutenção podem ser comprometidos. O ideal é que a pessoa reduza significativamente ou interrompa o hábito antes do início do clareamento e não volte a fumar. A continuidade do uso de cigarro após a finalização do tratamento certamente levará à alteração de cor em menor tempo.

O que é preciso evitar durante o clareamento?
Tomar café, chá, vinho tinto, refrigerantes em excesso e fumar.

Os dentes clareados podem escurecer novamente?
Sim. Mas nunca como antes. Após dois anos, pode haver a necessidade de manutenção.

Quanto custa fazer um clareamento dental?
"O valor é estabelecido de acordo com o gel que o profissional utiliza, se é nacional ou importado, da quantidade de produto utilizado, entre outras variáveis", diz Tanji. Em consultório, o número de sessões (geralmente entre uma e três) depende do grau de clareamento pretendido, mas o valor médio do tratamento gira em torno de R$ 1 mil. Em casa, custa cerca da metade do preço cobrado nos consultórios. Quando os tratamentos são combinados – parte no consultório e parte em casa –, o valor final cobrado pelo serviço mais abrangente e complexo pode chegar a R$ 1.300.

Siga o @iGsaude no Twitter

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.