Tamanho do texto

Segundo relatório financiado pela Fundação Bill Gates, estratégia do banco não obteve sucesso

Os programas de saúde de bilhões de dólares aplicados na África subsaariana há 10 anos pelo Banco Mundial (Bird) e agências associadas tem sido amplamente ineficazes, concluiu um relatório financiado pela Fundação Gates, publicado esta quarta-feira.

Segundo o estudo, fruto de uma investigação do grupo ACTION (Advocacy to Control TB Internationally), dedicado à luta contra a tuberculose e financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, não há indícios que permitam concluir que a estratégia do Bird teve sucesso.

O relatório criticou o enfoque setorial amplo chamado "SWAps", no qual os doadores apóiam as medidas gerais de um governo para melhorar o sistema de saúde no lugar de objetivos mais específicos.

O Bird e seus parceiros "não consegue os resultados desejados" nos países de baixos rendimentos da África subsaariana, em especial com doenças com a tuberculose, destacou o estudo.

A ACTION examinou especialmente o uso de SWAps para controlar a tuberculose e estabeleceu que o Bird e seus parceiros não prestaram atenção suficiente na melhora do controle desta doença infecciosa entre 2001 e 2008 em seus projetos de desenvolvimento setorial.

Estes programas, nos países onde os casos de tuberculose são numerosos, preveem raramente medidas específicas tanto para detectar a doença quanto para tratá-la: a taxa de sucesso não supera os 20%.

Além disso, a tuberculose está tendo novamente uma forte incidência, sendo transformada em um problema sanitário mundial que requer medidas de controle eficazes, destacam os autores do documento.

Em 2008, foram registrados 9,4 milhões de novos casos de tuberculose e 1,8 milhão de mortes, das quais 44% na África, onde a maioria das pessoas infectadas não foram diagnosticadas.

Enquanto na Ásia o Bird mobilizou seus esforços de controle da tuberculose graças a importantes investimentos destinados especificamente à luta contra este mal, na África seguiu um enfoque setorial mais difuso, ressaltou o texto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.