Tamanho do texto

Vacina contra o vírus Influenza H1N1 pode alterar exame de HIV, alerta ministro da Saúde

Ministro da Saúde, José Gomes Temporão comentou sobre a incidência de resultados "falsos positivos" para testes de HIV, em pessoas que tomaram vacina contra o vírus H1N1. Segundo ele, isso se dá em raros casos, por uma reação do organismo ao aumento do anticorpo IGM, o que pode interferir no resultado real do HIV.

"A recomendação aos que foram vacinados e precisam, no prazo de 30 dias, fazer o teste de Aids, é que, em caso positivo, não criem alarde. Refaçam o teste informando ao laboratório que tomaram a dose de vacina. O problema seria se a vacina originasse o falso negativo", disse ele, em coletiva de imprensa, no Rio, na tarde desta sexta-feira (21).

Temporão não soube precisar quantos casos de falso positivo foram notificados no país até o momento.

Anteriormente, o Ministério já havia alertado os serviços de saúde para a necessidade de investigação e contraprova após 30 dias, no caso de pessoas que tomaram a vacina contra H1N1 e tiveram resultado positivo no exame de detecção de anticorpos contra HIV.

Segundo a assessoria de imprensa do MInistério, não há motivo para alarme. "O problema seria se o exame indicasse falso-negativo, o que não é o caso".

"O falso-positivo não ocorre em todos os exames de HIV pós-vacinação contra H1N1, mas apenas em uma pequena parcela. Nos casos em que houver resultado positivo, a orientação do Ministério da Saúde, por meio da Coordenação de DST/AIDS, é que a investigação seja feita com uso de outro teste, denominado Western Blot, e também que o paciente seja reconvocado para colher nova amostra de sangue após 30 dias. A investigação do diagnóstico nestes casos deve permanecer até a obtenção de um resultado definitivo".

"Para as pessoas que se vacinaram a doaram sangue neste período da campanha, e cujo resultado sorológico tenha dado positivo para HIV, permanece a mesma recomendação acima, e o sangue doado será submetido aos procedimentos de segurança já adotados pelos bancos de sangue".

Leia mais: Crianças de 2 a 4 anos também deverão ser vacinadas contra Influenza H1N1

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.