Remédio Canela de Velho, da empresa Mario Augusto de Souza, não possui registro, notificação ou cadastro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Remédio vendido para artrose contém em sua formulação a planta Miconia albicans desidratada e triturada
Canela de Velho/ Divulgação
Remédio vendido para artrose contém em sua formulação a planta Miconia albicans desidratada e triturada

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a fabricação, distribuição e comercialização do medicamento Canela de Velho, da empresa Mario Augusto de Souza. O produto é vendido como “a cura milagrosa da artrose”, mas não possui registro, notificação ou cadastro na Agência. A resolução foi publicada no Diário Oficial na nesta sexta-feira (17).

LEIA MAIS: Fezes claras, secas, escuras, verdes... especialista diz o que elas indicam

O remédio contém em sua formulação a planta Miconia albicans desidratada e triturada. Segundo a Anvisa, não é possível esclarecer qual é a parte da planta utilizada para a confecção do chá com indicações terapêutica contra a artrose , também chamada de osteoartrite.

Além do medicamento não ter registro na agência, a Mario Augusto de Souza também não tem autorização de funcionamento na Anvisa. O proprietário da empresa afirmou que ainda não foi notificado da resolução e alegou que vende a folha in natura.

LEIA MAIS: Transplante transforma vida de homem que tentou se matar com tiro no rosto

Segundo o site da Canela de Velho, “a planta medicinal Canela de Velho (Miconia albicans) tem sido um santo remédio para quem tem dor nos joelhos, dor nas articulações e dores na coluna”. A empresa diz ainda que “a Canela de Velho é um tratamento para artrose sem contraindicação”.

Artrose

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a artrose é a doença do grupo de ‘reumatismos’ mais frequente nos ambulatórios, representando cerca de 30% a 40% das consultas.

As mulheres são as que mais sofrem com o problema. Entretanto, se a osteoartrite no sexo feminino afeta mais as mãos e os joelhos, nos homens o problema maior está na articulação coxofemoral – do fêmur com a bacia.

LEIA MAIS: Município de Santo André registra primeira morte por febre amarela

Em relação à faixa etária, o risco de desenvolver a doença aumenta com o passar dos anos: é pouco comum antes dos 40 e mais frequente após os 60. A doença causa desgaste da cartilagem articular e alterações ósseas.

A artrose pode ocorrer sem causa conhecida, mas entre as já registradas estão problemas como defeitos das articulações, joelhos com desvios de direção e até alterações do metabolismo.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.