Tamanho do texto

Organização Mundial da Saúde precisou emitir novas diretrizes terapêuticas para o tratamento destas três infecções sexualmente transmissíveis

Preservativos são um dos métodos mais eficazes de proteção contra as infecções sexualmente transmissíveis
Elza Fiuza Arquivo/Agência Brasil
Preservativos são um dos métodos mais eficazes de proteção contra as infecções sexualmente transmissíveis

A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu novas diretrizes terapêuticas para o tratamento da sífilis, gonorreia e clamídia, três infecções sexualmente transmissíveis que estão se tornando resistentes a antibióticos. Os medicamentos estão perdendo a eficácia por conta de uso excessivo e má utilização, segundo a OMS.

Estimativas apontam que, a cada ano, 131 milhões de pessoas são infectadas com clamídia, 78 milhões com gonorreia e 5,6 milhões com sífilis . A gonorreia foi a que desenvolveu maior resistência aos antibióticos existentes. Apesar de menos frequente nas outras duas infecções, o problema está tornando a prevenção e o tratamento essenciais para que a cura seja alcançada.

Quando não devidamente tratadas em mulheres, as infecções podem provocar graves complicações em longo prazo: doença inflamatória pélvica, gravidez ectópica e aborto. Já se não há tratamento, tanto homens quanto mulheres podem ficar inférteis. De acordo com a OMS, as doenças também podem duplicar ou até triplicar o risco de infecção pelo vírus HIV.

“A clamídia, a gonorreia e a sífilis são importantes problemas de saúde pública em todo o mundo: diminuem a qualidade de vida de milhões de pessoas e provocam graves patologias, podendo levar à morte. Nas novas diretrizes terapêuticas da OMS, reitera-se a necessidade de tratar as infecções com antibióticos adequados, em doses corretas e no momento oportuno, com o objetivo de reduzir sua propagação e melhorar a saúde sexual e reprodutiva. Os serviços nacionais de saúde têm que determinar as pautas de resistência aos antibióticos por essas infecções em seus países”, afirmou Ian Askew, Diretor de Saúde Reprodutiva da OMS.

Gonorreia

A infecção pode afetar os genitais, o reto e a garganta. Neste caso, são os antibióticos mais antigos e mais baratos que estão perdendo a eficácia. A OMS não recomenda a utilização de quinolonas, uma classe de antibiótico, para tratar a doença porque é alta a frequência de resistência.

Clamídia

A mais frequente das três, e pode ocorrer em conjunto com a gonorreia. Sintomas incluem sangramento e sensação de queimação ao urinar, mas muitos pacientes não apresentam sinais.

Sífilis

Transmitida por contato com lesões nos genitais, ânus, reto, lábios ou boca, além de mãe para filho durante a gestação. Para o tratamento, a OMS recomenda dose única de penicilina benzatina, um antibiótico injetado por um médico ou enfermeiro no músculo das nádegas ou na coxa do paciente com sífilis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.