Tamanho do texto

Menina nasceu com a Síndrome de Beckwith-Wiedemann, doença que faz com que alguns órgãos do corpo, como a língua, cresçam mais que o esperado

Paisley nasceu com Síndrome de Beckwith-Wiedemann, doença que faz com que  órgãos cresçam mais que o esperado
Facebook/ Madison Kienow/ Reprodução
Paisley nasceu com Síndrome de Beckwith-Wiedemann, doença que faz com que órgãos cresçam mais que o esperado

A pequena Paisley Morrison-Johnson chegou ao mundo em junho de 2015 nos Estados Unidos. Os pais estavam ansiosos para ouvir o chorinho da segunda filha, mas, em apenas alguns segundos, tudo mudou. Os médicos precisaram entubar a bebê e leva-la para longe da mãe para que nenhum problema ocorresse.

LEIA MAIS:  Ator de "Stranger Things" se torna exemplo para pessoas com doença rara

Três semanas depois, os pais de Paisley, Madison Kienow, de 21 anos, e Shannon Morrison-Johnson, de 23, descobriram que a filha tinha nascido com a Síndrome de Beckwith-Wiedemann, uma doença que faz com que alguns órgãos cresçam mais que o esperado. No caso de Paisley, a língua.

O órgão era do tamanho do de um adulto, segundo os médicos, e tão grande para a bebê que ela precisava de aparelhos para conseguir respirar e comer. Foram necessárias duas cirurgias para que toda família pudesse sorrir com mais tranquilidade. Inclusive Paisley, que, de acordo com a mãe, é só sorrisos após ter feito a redução da língua.

Após passar por duas cirurgias, Paisley Morrison-Johnson pode, agora, sorrir muito, comer e respirar sem aparelhos
Facebook/ Madison Kienow/ Reprodução
Após passar por duas cirurgias, Paisley Morrison-Johnson pode, agora, sorrir muito, comer e respirar sem aparelhos

Com um ano e quatro meses, Paisley já começa a enunciar o que serão suas primeiras palavras. Madison afirmou, em entrevista ao site Mirror, que a língua ter crescido novamente após a primeira cirurgia a chateou muito e também ao pai da menina. “Poder vê-la sorrir é incrível e, agora, ela não tem nem problemas para comer, o que é um grande alívio.”

Preconceito                                                         

O tamanho da língua de Paisley fez com que, mesmo com apenas meses de vida, ela fosse alvo de preconceito. A mãe percebia que estranhos acabavam encarando a menina e fazendo comentários. “Eles sempre vinham me perguntar porque ela era tão diferente e tinha uma língua tão grande.”

LEIA MAIS:  Fotógrafos se unem para chamar atenção para o câncer infantil

Os médicos que acompanharam o caso acreditam que mais nenhuma intervenção será necessária, mas continuam monitorando o quadro por conta de outros sintomas associados à síndrome.

Muitas pessoas que olhavam para Paisley e percebiam o tamanho de sua língua acabavam fazendo comentários
Facebook/ Madison Kienow/ Reprodução
Muitas pessoas que olhavam para Paisley e percebiam o tamanho de sua língua acabavam fazendo comentários


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.