Tamanho do texto

Síndrome do Salão de Beleza causou o problema em Dave Tyler, que acabou recebendo indenização de mais de US$ 100 mil pelo caso ocorrido em 2011

Especialistas afirmam que AVC poderia ter sido evitado caso o salão tivesse usado um apoio para o pescoço do cliente
Shuttersock
Especialistas afirmam que AVC poderia ter sido evitado caso o salão tivesse usado um apoio para o pescoço do cliente

Um britânico sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) após decidir lavar seu cabelo em um salão de cabelereiro no Reino Unido. Por conta do problema quase fatal, o cliente recebeu uma indenização de mais de US$ 100 mil esta semana.

LEIA MAIS:  Depilar pelos pubianos aumenta riscos de doenças sexualmente transmissíveis

Ao ter a cabeça inclinada para trás, uma artéria do pescoço de Dave Tyler foi, provavelmente, lesionada e, como resultado, formou-se um coágulo que causou o AVC. Apesar de incomum, esta situação já tem até mesmo um nome: Síndrome do Salão de Beleza.

Tyler passou a sentir dores de cabeça e desmaiou durante uma reunião de negócios dois dias depois da visita a um cabelereiro em Brighton, no Reino Unido. O caso ocorreu em 2011, mas a indenização só foi concedida agora.

Foi no Hospital Londrino de Neurologia e Neurocirurgia que um especialista perguntou ao paciente se ele havia cortado o cabelo recentemente. Apesar de raro, já é possível reconhecer a síndrome do salão de beleza.

LEIA MAIS:  “Sienna estava sendo comida viva pela infecção", diz mãe de menina com herpes

O coágulo formado causa as dores de cabeça e, em seguida, passa a liberar coágulos menores para o cérebro. Estes, por sua vez, bloqueiam a passagem de sangue, causando um derrame. Entre os sintomas estão dificuldade de caminhar, fraqueza muscular, perda temporária da visão, dificuldade de fala e confusão mental.

Segundo reportagem do site Daily Mail, o britânico ficou três meses internado em um hospital e precisou voltar para casa em uma cadeira de rodas. Agora, após tratamento com fisioterapeuta, ele é capaz de andar usando uma muleta, mas não pode mais dirigir por conta de problemas oculares causados pelo derrame.

LEIA MAIS:  Ossos em museu londrino podem revelar como industrialização afetou saúde humana

Especialistas afirmam que todo este problema poderia ter sido evitado caso o salão tivesse usado um apoio para o pescoço do cliente na hora de realizar a lavagem. Tyler acredita que novas formas de se realizar a lavagem deveriam ser criadas e que as pessoas que fazem o procedimento deveriam ser avisadas do riscos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.