Tamanho do texto

Com 71% de aprovação, foi legalizado uso da planta para pacientes terminais e que sofrem de Aids, doença de Crohn, Mal de Parkinson e outras doenças

Maconha para uso medicinal já era permitida no Estado desde 2014 com baixa quantidade da substância psicoativa
Shutterstock
Maconha para uso medicinal já era permitida no Estado desde 2014 com baixa quantidade da substância psicoativa

A emenda que amplia o uso de maconha para fins medicinais na Flórida, nos Estados Unidos, entrou em vigor nesta terça-feira (3). A Florida Medical Marijuana Legalization Initiative – Iniciativa para a Legalização da Maconha Medicinal na Flórida –, também conhecida como Emenda 2, foi votada junto à eleição Presidencial dos Estados Unidos do dia 8 de novembro de 2016.

+ Conheça o inusitado país que se tornou o maior produtor de maconha da Europa

A maconha para uso medicinal, entretanto, já era permitida no Estado desde 2014 com baixa quantidade da substância psicoativa para pacientes que sofrem de câncer, epilepsia e convulsões e espasmos musculares crônicos.

Com 71% da aprovação da população, foi legalizado o uso da planta em doses mais altas e também para pacientes terminais e que sofrem de Aids, glaucoma, síndrome de estresse pós-traumático, doença de Crohn, Mal de Parkinson, esclerose lateral amiotrófica (ELA) e esclerose múltipla.

Para o paciente poder iniciar o tratamento, é preciso que um médico licenciado comprove a necessidade por no mínimo três meses. Ainda deverão ser criadas regras pelo Departamento de Saúde para regulamentação da produção da maconha, dos seus centros de distribuição e dos cartões de identificação para pacientes e médicos.

Brasil

Em março de 2016, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a prescrição médica e a importação , por pessoa física, de medicamentos e produtos com canabidiol e tetrahidrocannabinol (THC) em sua formulação, desde que exclusivamente para uso próprio e para tratamento de saúde.

Extraído da Cannabis sativa, o canabidiol, conhecido como CBD, é utilizado no combate a convulsões provocadas por diversas enfermidades, entre elas a epilepsia. Em janeiro de 2015, a Anvisa retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas e o classificou como medicamento de uso controlado.

+ Drama leva advogado a largar carreira para criar 1ª maconha medicinal do Brasil

Em seguida, a agência facilitou a importação de medicamentos à base de canabidiol, feito a partir da maconha. A norma prevê que o paciente ou seu responsável legal solicite à Anvisa, em formulário próprio, uma autorização excepcional para a importação e utilização do produto, apresentando prescrição médica, laudo médico e declaração de responsabilidade e esclarecimento assinada pelo médico e paciente ou responsável legal.

*Com informações da agência Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.