Tamanho do texto

Secretaria de Saúde de Minas Gerais confirmou 34 casos da infecção aguda

Atualmente, só os mosquitos Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela no País
Shutterstock
Atualmente, só os mosquitos Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela no País

O surto de febre amarela no Estado de Minas Gerais já causou a morte de 23 pessoas desde dezembro de 2016, afirmou a Secretaria de Estado da Saúde. Outros 11 casos também foram confirmados para a infecção aguda, mas os pacientes estão se recuperando.

Ao todo, são 206 casos suspeitos da doença em Minas Gerais. A Secretaria confirmou também que todos os casos confirmados são de febre amarela silvestre, causada pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, incluindo os oito óbitos divulgados pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira (18).  Havia a hipótese de que a doença teria sido causa como reação adversa à vacina. Também foi possível identificar que os doentes são, em sua maioria, homens, trabalhores rurais e aposentados.

Segundo o secretaria, uma das vítimas era de São Paulo. Ela havia viajado para Minas Gerais, onde foi picadas pelo mosquito transmissor. O secretário de Saúde de Brasília, Humberto Fonseca, informou durante a tarde desta quinta-feira (19) que outra vítima estava em Brasília quando acabou morrendo, mas a infecção também foi contraída em Minas.

Devo me vacinar?

A vacina contra o vírus da febre amarela já faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e é a única forma de se evitar a infecção. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), apenas uma dose da vacina já é suficiente para proteção por toda a vida. No Brasil, é aplicada uma dose aos nove meses de idade e um reforço aos quatro anos.

Já no caso de situação de emergência epidemiológica  ou viagem para área de risco, o imunizante pode ser aplicado a partir dos seis meses de idade. Já se a criança não for vacinada aos 9 meses, deve tomar a vacina e o reforço com um intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

Não me vacinei até o 4 anos. E agora?

Pessoas que receberam as duas doses da vacina não precisam mais se vacinar, já aqueles que não receberam o reforço podem fazer isso mesmo que sejam adultos. Já quem nunca foi vacinado ou não tem o comprovante da aplicação devem administrar a primeira dose da vacina e, após dez anos, o reforço.

Casos específicos

Como as vacina pode gerar problemas para pessoas com o sistema imunológico mais baixo, pessoas com 60 anos ou mais que nunca tomaram a vacina só podem tomar o imunizante após avaliação médica. Já no caso de gestantes ela é contraindicada – podendo ser autorizada por um especialista se houver situação de emergência epidemiológica ou necessidade de viagem para área de risco. Lactantes de crianças com até seis meses devem suspender o aleitamento materno por 28 dias após a vacina.

Pacientes com imunodeficiência devem passar por avaliação médica de risco-benefício antes de tomar o imunizante. Pessoas com histórico de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina contra febre amarela – ovo de galinha e seus derivados, gelatina e outros produtos que contêm proteína animal bovina –, assim como pacientes com histórico de doenças do timo também devem buscar orientação.

Viajantes

De acordo com o Ministério da Saúde, viajantes para fora do Brasil devem seguir as recomendações do Regulamento Sanitário Internacional. Já quando o destino é uma área de recomendação da vacina no Brasil é preciso se vacinar com pelo menos dez dias de antecedência no caso da primeira vacinação.

Quais os sintomas da febre amarela?

A doença é de curta duração, podendo se prolongar por até dez dias. Os sintomas são febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia – a pele e os olhos ficam amarelos – e hemorragias – de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina. A gravidade varia em cada caso.

O problema é que, se não tratada rapidamente, pode levar à morte em cerca de uma semana. O tratamento é apenas assintomático. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em uma Unidade de Terapia Intensiva.

Evolução da doença

O vírus se manifesta entre três a seis dias após a picada, podendo se estender até 15 dias. A maioria dos pacientes apresenta melhora após os sintomas iniciais, mas cerca de 15% acabam desenvolvendo uma forma mais grave da doença.

LEIA MAIS: Após morte por febre amarela, governo alerta para necessidade de se vacinar

O homem pode servir como fonte de infecção para mosquitos transmissores durante sete dias. Nos casos que evoluem para a cura, a infecção confere imunidade duradoura, ou seja, uma mesma pessoa não poderá ter febre amarela mais de uma vez.

Suspeita de febre amarela

Se a pessoa acredita que está com febre amarela, deve procurar o mais rápido possível um médico. É necessário informar sobre qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.