Tamanho do texto

Entre os óbitos confirmados pela Secretaria de Estado de Saúde, 87,8% foram do sexo masculino, sendo que a letalidade aumenta com a idade

Atualmente, apenas os mosquitos silvestres Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela no Brasil
Shutterstock
Atualmente, apenas os mosquitos silvestres Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela no Brasil

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais informou nesta sexta-feira (3) que 99 pessoas morreram no estado por conta do surto de febre amarela. No total, foram notificadas 181 mortes com suspeita da infecção aguda, algumas ainda em investigação.

Leia também: Saiba se você precisa e onde tomar a vacina contra febre amarela

Entre os óbitos confirmados, 87,8% foram do sexo masculino, com média de idade de 45 anos. A secretaria também informou que dos 1063 casos suspeitos de febre amarela , 260 já foram confirmados. Entretanto, 746 ainda estão em investigação.

Já são 88 municípios com suspeita de circulação do vírus em Minas Gerais, sendo que 46 já receberam a confirmação. Ladainha é o que registrou o maior número de mortes: 14. A cidade é seguida de Teófilo Otoni, com 11 óbitos, e Novo Cruzeiro e Itambacuri, ambas com dez.

Leia também: Parque em BH que teria shows no carnaval é fechado por risco de febre amarela

Os idosos são os que mais correm risco de morte. De 35 casos confirmados, 16 evoluíram para óbito, um total de 45,7%. O número de vítimas, entretanto, passa a aumento consideravelmente a partir dos 40 anos.

O surto que atinge o estado e municípios vizinhos já é considerado o maior no Brasil desde 1980. Antes de 2017, o ano com mais mortes pela doença foi 2000, quando foram registrados 40 óbitos.

Mudanças doação de sangue

O aumento no número de casos e a intensificação da vacinação contra a febre amarela este ano fizeram com que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o Ministério da Saúde publicassem novas regras para triagem de candidatos à doação de sangue e potenciais doadores de órgãos e tecidos .

De acordo com a Anvisa,  as notas “alertam para a necessidade de se considerar o risco de transmissão dessa doença por meio de transfusão sanguínea ou transplante. Isso porque há relatos de transmissão do vírus da febre amarela por transfusão, após a vacinação de doadores de sangue”.

Segundo a Nota Técnica Conjunta N° 11 de 2017, candidatos à doação de sangue que tenham sido vacinados recentemente contra a febre amarela deverão esperar pelo menos quatro semanas, a contar da data da vacinação, para realizar a doação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.