Tamanho do texto

Condição rara faz com que menina de dois anos "troque de pele"; doença deixa o corpo cheio de placas, que mais se parecem com escamas

Bebê indiana sofre de condição rara que faz com que sua pele tenha escamas como as de um lagarto
Reprodução/Twitter
Bebê indiana sofre de condição rara que faz com que sua pele tenha escamas como as de um lagarto

Uma garotinha indiana deixou o mundo todo de coração partido, após sua aparição em diversos noticiários internacionais. Com apenas dois anos de idade, Shama sofre de uma condição rara que deixa sua pele completamente danificada.

Leia também: Mãe se recusa a amamentar filho que nasceu com condição rara

É como se ela fizesse uma “troca de pele ” diariamente. Os médicos de Nova Deli, capital da Índia, dizem que a menina tem ictiose lamelar , uma doença que afeta apenas um em cada 600.000 pessoas.

Complicações

Essa enfermidade faz com que o paciente desenvolva espécies de escamas, como as de um lagarto, em todo o seu corpo. Dessa forma, essas escamas, que são como placas, vão endurecendo, até secar completamente para então descascar. Isso faz com que o corpo fique sem proteção, correndo mais risco de contrair infecções. Sem contar, o ardor, que é muito incômodo e a dor chega a ser agonizante.

A ictiose lamelar também pode causar superaquecimento, pois evita a transpiração e pode restringir o fluxo sanguíneo para os dedos das mãos e dos pés, já que faz com que a pele se contraia. Também pode causar problemas oculares, perda de cabelo e dificuldade para dobrar as articulações das mãos.

Leia também: Bebê de um ano é diagnosticada com Alzheimer infantil

De acordo com os especialistas, os sintomas geralmente aparecem entre os primeiros dias de vida. As escamas são como placas, que, muitas vezes ficam mais escuras que a cor natural da pele.  

A doença é uma alteração genética e não tem cura

A literatura médica afirma que a condição é causada por anormalidades genéticas, que afetam o derramamento de pele. Ou seja, quando a mãe e o pai carregam um gene anormal. Nesses casos, há uma em cada quatro chances de a pessoa desenvolver a doença.

Atualmente não há cura e o tratamento mais eficaz é a aplicação regular de hidratantes no corpo, afirmam os médicos.

Para Anjali Mahto, consultor dermatologista e British Skin Foundation, a ictiose lamelar é uma doença genética que afeta principalmente a pele. "Em pessoas sem a doença, as células são produzidas a uma taxa normal, mas normalmente elas não ‘mudam’, evitando as escamas.”

Leia também: Mulher faz transplante de rosto que foi "cultivado" em seu peito

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.