Tamanho do texto

Remédio usado no tratamento de complicações estomacais foi recolhido por irregularidades no rótulo; confira outros produtos suspensos pela agência

Remédio usado por hospitais, lote de Omeprazol está sendo retirado de circulação
shutterstock/Reprodução
Remédio usado por hospitais, lote de Omeprazol está sendo retirado de circulação

Na última segunda-feira (10) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a venda de um lote do medicamento genérico Omeprazol 40mg, pó liofilizado para solução injetável, que é fabricado pela Eurofarma Laboratórios S.A.

Leia também: Calvície feminina: confira 11 mitos e verdades sobre a queda de cabelos

O lote de Omeprazol que foi retirado de circulação é o de numeração 486773A. Usado para o tratamento de úlceras gástricas, e de uso restrito a hospitais. Com a medida, foi solicitado às distribuidoras e hospitais que suspendessem a comercialização e utilização do lote.

O recolhimento foi determinado após a farmacêutica informar a agência um comunicado de recolhimento voluntário do lote devido a falhas técnicas nos rótulos. Em nota, a empresa afirma que o lote descrito continha desvios de qualidade relacionados à rotulagem do frasco.

Leia também: Anvisa suspende uso de 13 lotes de anticoncepcional

"A empresa iniciou imediatamente o recolhimento do lote 486773A do produto e estabeleceu ações corretivas e preventivas. A cadeia de distribuição foi prontamente informada, o uso também suspenso imediatamente e a devolução está sendo feita seguindo as diretrizes do órgão regulador", afirmou a Eurofarma em nota.

A farmacêutica reitera que os outros lotes que não sejam o 486773A podem ser consumidos normalmente. Caso o consumidor esteja com um exemplar do produto recolhido, é importante entrar em contato com o SAC do fabricante para saber mais orientações sobre a troca.

Leia também: Ministério da Saúde afirma que vai continuar utilizando remédio chinês

Óleo de Argan

Outro produto que também foi proibido ontem e, dessa vez, afeta o consumidor comum é o Argan Oil, da marca Jhor’s. Por não conter registro sanitário, o cosmético para cabelo, fabricado pela empresa Antonia Lóide Palmiero Martins.

Com a determinação da Anvisa, a fabricação, distribuição, divulgação, comercialização e o uso da substância está fora da lei. A resolução RE 1.845/17 também prevê o recolhimento do estoque existente no mercado por parte da fabricante.

Tintura de cabelo falsificadas

Quatro lotes de tinta para cabelo da marca Color Premium Creme Colorante Smart Extreme também serão apreendidos pela Vigilância Sanitária. Fabricados pela empresa Coferly Cosmetica Ltda, que afirmou que os produtos em questão foram falsificados.

De acordo com a companhia, as tinturas foram identificadas no mercado com características divergentes das que constam na embalagem original. E por se tratar de um caso de falsificação, a Anvisa determina a apreensão das unidades dos seguintes lotes:

  • M2909 – Validade: 3/19 – Tonalidade 5.0 Castanho claro
  • G2235 – Validade: 12/19 – Tonalidade CSV22 Corretor violeta
  • M1460 – Validade: 11/19 – Tonalidade S55.62 Castanho claro vermelho irisado smart especial
  • K1612 – Validade: 12/19 – Tonalidade CS.A11

Leia também: Anvisa libera remédio derivado da maconha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.