Tamanho do texto

Estudo feito por pesquisador da USP ainda não foi aplicado em humanos

Comparação gráfica de um fígado saudável e outro com cirrose
shutterstock
Comparação gráfica de um fígado saudável e outro com cirrose

Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP apontou que o uso de células derivadas do fígado embrionário poderia retardar a progressão da fibrose hepática e diminuir os riscos da cirrose.

Leia também: Por não tomar café da manhã, mais de 200 pedras são formadas em fígado de mulher

Em um experimento realizado em ratos, foi possível constatar que essas células podem modular o surgimento de fibras no fígado, como resposta às lesões e atrasar o desenvolvimento da cirrose em doenças hepáticas crônicas.

A fibrose hepática acontece no processo de cicatrização do fígado , quando ele é agredido com frequência. “O consumo de álcool em excesso, hepatites virais, colestase biliar (causada por acúmulo excessivo de bílis, fluido produzido pelo fígado que tem a função de emulsificar as gorduras do corpo) causam inflamação no fígado e a fibrose, que se não for tratada adequadamente pode evoluir para cirrose”, afirmou o autor da pesquisa, o médico veterinário Márcio Aparecido Pereira.

Pessoas em estágio final de doenças hepáticas crônicas acabam desenvolvendo cirrose, que é considerada a 14ª maior causa de mortalidade mundial. Uma das explicações para o alto índice está no tratamento à condição, que não é tão simples de fazer, já que depende do transplante do fígado e a demanda pelo órgão é muito maior do que a quantidade de doadores. Pensando nisso, Pereira considerou utilizar as células derivadas de fígado embrionário, que tem potencial anti-inflamatório, imunomodulador e regenerativo.

Leia também: Adolescente tem hepatite grave por beber chá verde para emagrecer

Estudo

Para chegar ao resultado, foi feito um experimento com células embrionárias de fígado de ratos de laboratório com 14,5 dias de gestação. Ao serem coletadas e cultivadas, essas células foram aplicadas no órgão de animais doentes por meio da veia porta hepática, que dá acesso ao sangue até o órgão.

Ao serem submetidos à terapia celular, os ratos tiveram uma redução significativa à progressão da doença, com a inflamação reduzida e a regeneração hepática avançada aos animais submetidos à cirrose por ligadura do ducto biliar.

Além disso, outra análise acompanhou a intensidade da necroinflamação dos tecidos hepáticos analisados, e também percebeu uma menor inflamação nos ratos que receberam o tratamento.

Porém, mesmo com os resultados promissores, ainda é preciso muitos outros estudos para que a terapia possa ser aplicada com segurança e eficácia em pacientes humanos, evitando complicações para o fígado, como a cirrose.

Leia também: Saiba o que pode prejudicar seu fígado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.