Tamanho do texto

Por conta do equívoco, criança terá que usar drenos para expelir a urina, apenas quando completar 5 anos, ela poderá receber uma bexiga artificial

Bebê deveria fazer operação para retirar um cisto no ovário, porém, médicos removeram sua bexiga
shutterstock/Reprodução
Bebê deveria fazer operação para retirar um cisto no ovário, porém, médicos removeram sua bexiga

Um incidente envolvendo profissionais de saúde de um hospital particular no Distrito Federal e um recém-nascido está sendo investigado pelo Conselho Regional de Medicina. Em abril, o bebê de quatro dias, que tinha um cisto ovariano – detectado quando ainda estava na barriga da mãe -, teve sua bexiga retirada por engano.

Leia também: Em fenômeno raro, bebê nasce "grávido” do próprio irmão

A história só foi divulgada agora, quando a família postou o caso nas redes sociais, depois de terem parado de receber auxílio da unidade de saúde, o Hospital Santa Helena, localizado no final da Asa Norte, em Brasília. Segundo o relato, a mãe da criança afirmou que durante a gestação foram feitos exames, sendo três de sangue, que puderam identificar o cisto no bebê e evitariam a retirada da bexiga .

Quando a mulher entrou em trabalho de parto, todos os laudos dos exames realizados foram entregues ao hospital, mas os médicos entenderam outro diagnóstico: o cisto estava localizado no abdômen, próximo ao umbigo, e que a situação era urgente.

Porém, ao realizar o procedimento, o que foi extraído não foi o cisto, e sim a bexiga. O equívoco só foi percebido dois dias depois, quando a menina não urinava e estava bastante inchada. Com isso, os médicos acharam melhor internar a criança em uma UTI.

Agora, para poder expelir a urina, dois drenos foram implantados na criança. A expectativa é que somente aos 5 anos ela receba uma bexiga artificial.

Leia também: Depois de ser beijada por alguém com herpes, recém-nascido morre de meningite

Outra versão

O Hospital Santa Helena divulgou, em nota, que não deixou de prestar assistência à criança. “Após a análise interna, a Diretoria encaminhou o caso para avaliação nas instâncias competentes, conforme a legislação vigente. Desde a alta da paciente, acompanha o caso por meio do médico assistente e permaneceu à disposição de todos para qualquer necessidade. Recentemente o Hospital manteve contato com a família para prestar eventual assistência necessária”.

Em entrevista à rádio CBN, a mãe do bebê que teve a bexiga retirada sem motivo declarou estar “arrasada”. “É a pior sensação da minha vida e cada dia era uma notícia ruim. Eles fizeram um erro que vai ser pra vida da minha filha toda [...]. As consultas são bastante caras, por exemplo, um urologista é R$ 400, uma ecografia que ela faz é R$ 380. Fralda ela usa mais do que um bebê normal, porque tem que ser trocada toda hora.”

Leia também: Não era só gripe: mulher vai a hospital e descobre pedra de quase 1 kg na bexiga

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.