Tamanho do texto

Conhecida como a suposta 'doença de Jesus', a condição é muito rara e se chama hematidrose; o fenômeno afeta apenas uma pessoa a cada 10 milhões

A condição da mulher italiana é extremamente rara, e afeta apenas uma pessoa a cada 10 milhões
Reprodução/Canada Medical Association Journal
A condição da mulher italiana é extremamente rara, e afeta apenas uma pessoa a cada 10 milhões

Uma mulher de 21 anos foi admitida em um hospital na cidade de Florença, na Itália, com uma condição extremamente rara. Suando sangue pelo rosto e pelas palmas das mãos, a italiana chocou os médicos responsáveis pelo seu caso.

Leia também: EUA aprova nova terapia genética para combate ao câncer do tipo linfoma

Surpresos com a situação, os especialistas decidiram investigar os sintomas que, segundo a paciente, começaram há três anos e podem durar até cinco minutos, dependendo do fluxo do sangue . De acordo com o portal britânico Daily Mail , o caso foi divulgado nesta segunda-feira (23) no Jornal da Associação Médica Canadense (CMAJ).

Após relatar aos médicos que os episódios são mais frequentes quando fica estressada, a mulher foi submetida a uma série de exames. Assim, a italiana foi diagnosticada com hematidrose , uma doença que afeta apenas uma pessoa a cada dez milhões. Tratada com propanolol – uma medicação que consegue reduzir os sintomas, mas não paralisa completamente o sangramento – a paciente foi liberada algumas horas depois.

Leia também: Tabela nutricional da USP mostra composição de 1.900 alimentos; fique por dentro

Hematidrose

Extremamente rara, a condição afeta apenas uma pessoas a cada dez milhões e ainda é desconhecida por muitos médicos. A hematidrose é conhecida como a “doença de Jesus”, já que poderia ser a explicação para a passagem bíblica em que supostamente apresenta sangramentos no suor antes de ser crucificado.

De acordo com o Daily Mail , um estudo publicado no Jornal Indiano de Dermatologia explica que a causa da doença ainda é desconhecida. Entretanto, acredita-se que ela é o resultado de episódios extremos de medo ou estresse, que fazem com que as veias ao redor das glândulas sudoríparas sejam dilatadas ao ponto de serem rompidas.

Leia também: Transtorno do jogo compulsivo: entenda como funciona o vício por apostas

Dessa forma, passa-se a impressão de que a pessoa está suando sangue. Ainda não há cura para a condição, apenas tratamentos com os chamados bloqueadores beta-adrenérgicos, que ajudam a controlar os episódios de crise ao minimizar a ansiedade e estresse do paciente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.