Tamanho do texto

Pela primeira vez, estudo analisa como o álcool pode causar danos permanentes no DNA de células-tronco no sangue; entenda

Não importa qual o nível do consumo, o álcool pode fazer com que as chances de desenvolver câncer sejam maiores
Mateus Baranowski/divulgação
Não importa qual o nível do consumo, o álcool pode fazer com que as chances de desenvolver câncer sejam maiores

Não é de hoje que as entidades relacionadas à saúde alertam que o consumo de álcool pode aumentar as chances de câncer. Recentemente, essa afirmação foi comprovada pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO, na sigla em inglês).

Leia também: Cientistas descobrem proteínas que, quando combinadas, alimentam tumores

A entidade afirmou que o consumo de substâncias alcoólicas, seja leve, moderado ou pesado, está associado ao aumento de chances de desenvolver vários tipos de câncer , incluindo os da mama, do cólon, do esôfago e da cabeça e pescoço, conforme foi informado pela ASCO.

 Em um comunicado, identificando o álcool como um fator de risco definitivo para o câncer, a ASCO cita entre 5-6% dos novos cânceres e as mortes por câncer globalmente como diretamente atribuíveis ao álcool. O que é particularmente preocupante, já que 70% dos americanos, por exemplo, não reconhecem o consumo dessa substância como um perigo para o câncer, de acordo com o National Cancer Opinion Survey.

 Além de aumentar a conscientização sobre o vínculo estabelecido entre o álcool e o câncer - e, portanto, a oportunidade de reduzir o risco de câncer, limitando a quantidade de álcool consumada - a afirmação, publicada noJournal of Clinical Oncology, também oferece algumas recomendações de políticas baseadas em evidências para reduzir o consumo excessivo de álcool no país:  

  • Fornecer exames de álcool e intervenções breves em contextos clínicos
  • Regular a densidade da saída do álcool
  • Aumentar os impostos e os preços do álcool
  • Manter limites nos dias e horas de venda
  • Melhorar a aplicação das leis que proíbem as vendas aos menores de idade
  • Restringir a exposição dos jovens à publicidade de bebidas alcoólicas
  • Resistir à privatização das vendas de álcool no varejo em comunidades com controle governamental atual
  • Incluir estratégias de controle de álcool em planos abrangentes de controle de câncer
  • Apoiar os esforços para eliminar o uso de "pinkwashing" para comercializar bebidas alcoólicas. (ou seja, desencorajar as empresas de bebidas alcoólicas de explorar as fitas de cor rosa para mostrar um compromisso de encontrar uma cura para o câncer de mama, dado que o consumo de álcool está associado a um risco aumentado de câncer de mama, por exemplo).

Leia também: Uso de quimioterapia diminui em casos de câncer de mama, diz estudo

Pesquisa

Nesta semana, a revista científica “Nature” publicou um estudo que realizou uma analise com detalhes em cobaias como o álcool pode aumentar as chances da doença.

A pesquisa mostrou que o subproduto da bebida alcoólica, o acetaldeído, é capaz de causar danos irreparáveis no DNA de células-tronco no sangue.

A constatação foi considerada um avanço para os especialistas que até então haviam feito apenas estudos populacionais sem apontar a explicação de como o álcool pode influenciar no risco de câncer.

Leia também: Escovar os dentes regularmente pode diminuir em 20% risco de câncer de garganta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.