Tamanho do texto

Abordagem diminui de 40 para 5 as sessões da radioterapia; hospitais já estão utilizando a técnica em pacientes com risco baixo ou intermediário

Estima-se que em 2018 mais de 68 mil novos casos de câncer de próstata deverão surgir, segundo pesquisa divulgada pelo Inca
shutterstock
Estima-se que em 2018 mais de 68 mil novos casos de câncer de próstata deverão surgir, segundo pesquisa divulgada pelo Inca

Atualmente, pacientes com câncer de próstata costumam ser submetidos a 40 sessões de radioterapia para realizar o tratamento da doença. Com uma terapia chamada hipofracionamento moderado, é possível que esse número seja reduzido pela metade. No entanto, uma nova técnica que está começando a ser utilizada por hospitais brasileiros tem permitido diminuir a quantidade para apenas cinco.

Leia também: Confira qual alimento pode ajudar a prevenir o câncer de próstata

As primeiras iniciativas da radioterapia ultra hipofracionada já é oferecida no tratamento do câncer de próstata há alguns meses no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo e no Mãe de Deus, em Porto Alegre. O A. C. Camargo Cancer Center adotou a abordagem em dois casos neste mês. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

O procedimento é baseado em altas doses de radiação sobre o tumor, o que permite menos aplicações do que as técnicas convencionais. Conhecida também como hipofracionamento extremo ou SBRT, a terapia já é usada para tratar alguns outros tipos de câncer, como o de pulmão, por exemplo.

Além de permitir que as sessões diminuam, a abordagem também torna as sessões mais rápidas: o tempo, que costuma ser de 25 minutos, cai para oito.

Alguns estudos mostraram que a abordagem deve ficar restrita a pacientes com câncer de próstata, de risco baixo ou intermediário. Já os homens com problemas crônicos no trato urinário não devem procurar o tratamento, pois há risco de efeitos colaterais, como ardor e aumento da frequência urinária.

Apesar de ter sido bem aceito após dez estudos clínicos com alto nível de evidência, conduzidos em grandes centros de pesquisa, que comprovaram a eficácia da técnica, o modelo ainda está longe de ser acessível.

A popularização depende da disposição de aparelhos e modelos de remuneração com uma tecnologia que permita monitorar a localização precisa do tumor. Entre as opções estão o IGRT (radioterapia guiada por imagem), com pouca oferta no Brasil e sem ressarcimento pelo SUS e pelas operadoras. O Calypso, recém-instalado pelo Sírio Libanês, também trabalha com a emissão de sinais que proporcionam uma radiação certeira no tumor.

Leia também: Cientistas desenvolvem técnica mais confiável para detectar câncer de próstata

Como identificar o câncer de próstata

Um dos maiores problemas da doença é que ela só tem chances reais de cura se diagnosticada na fase inicial, quando ainda não apresenta sintomas. Por isso, é de extrema importância que o homem faça o acompanhamento médico para realização do exame do toque retal e a medição dos níveis do PSA, o Antígeno Prostático Específico, substância produzida pelas células da glândula prostática - que são os procedimentos disponíveis até o momento.

A doença é silenciosa, mais um motivo para dificultar o diagnóstico, mas quando apresenta sintomas, eles podem ser sangramento na via urinária e dor. Quando isso acontece, geralmente o tumor já está em fase avançada.  

Enquanto os homens em geral devem iniciar os exames periódicos a partir dos 50 anos, aqueles com histórico familiar, negros e obesos devem começar com 45, já que, estatisticamente, têm uma incidência maior de câncer de próstata.

O problema também é mais prevalente nas populações que ingerem uma quantidade maior de gordura animal. “A população americana tem mais câncer de próstata do que a japonesa. E um dado interessante é que, quando o japonês migra para os Estados Unidos, a segunda geração acaba tendo a mesma incidência da doença da população americana, porque essa geração adquire os costumes alimentares dos Estados Unidos.”

 Tratamento da doença

Primeiro, o especialista avalia o grau de agressividade do câncer. Caso seja pouco agressivo, o paciente passará apenas por um acompanhamento chamado vigilância ativa, sem nenhum tipo de tratamento específico, que só deve ocorrer se o tumor progredir.

Leia também: Terapia com laser e bactéria cura metade dos pacientes de câncer de próstata

Já os tipos de câncer de próstata mais agressivos exigem a cirurgia para a remoção da próstata e a radioterapia, que é um tratamento que foca na região onde está o tumor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.