Tamanho do texto

Grupo que ajuda no combate ao alcoolismo cria ferramenta de acesso para que usuários consigam acompanhar horários e locais de reuniões disponíveis

Reuniões dos Alcoólicos Anônimos poderão ser consultadas pelo aplicativo
shutterstock
Reuniões dos Alcoólicos Anônimos poderão ser consultadas pelo aplicativo

No ano de 2016, mais de 3 milhões de pessoas morreram pelo consumo de álcool em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade divulgou o dado nesta semana e chamou a atenção para a necessidade de mecanismos que colaborem com a diminuição dos casos. No Brasil, os Alcoólicos Anônimos (AA) são uma das organizações que atuam no combate ao alcoolismo.

Como parte das comemorações dos 70 anos dos Alcoólicos Anônimos no País, o grupo lançou um aplicativo para celulares. O objetivo é facilitar o acesso a informações como horário e local de encontros e divulgar as bases e preceitos da entidade. Tudo disponível gratuitamente em português, inglês e espanhol para os sistemas Android e IOS, digitando Alcoólicos Anônimos no Google Play e na App Store.

O AA é formado por diversos grupos que se reúnem para compartilhar experiências sobre como ajudar as pessoas que querem parar de beber e como manter sóbrios os que já deixaram o álcool de lado. “[São] reuniões de ajuda mútua, nos encontramos trocando experiências. Aqueles que estão há mais tempo passando a experiência de como conseguiram parar de beber, reorganizar a sua vida e buscar novos horizontes”, explicou Raul, que faz parte do grupo há 22 anos.

Ele disse que o AA mantém suas bases desde que foi trazido dos Estados Unidos para o Brasil, por um dos membros. Atualmente, são cerca de 4,9 mil grupos em todo o país. Segundo Raul, chegam aos encontros pessoas com os mais diversos perfis. “Se o álcool está trazendo algum tipo de transtorno para a sua vida, prejudicando o dia a dia, elas vêm em busca de informações.”

O AA considera o alcoolismo uma doença crônica. “Alcoolismo é uma doença progressiva, que começa em um beber social e, em um momento, acaba trazendo o caos para a vida da pessoa”, diz Raul sobre o desenvolvimento do problema.

O psicólogo Bruno Logan, especialista em uso de drogas, explica que o modelo do AA pode ser um apoio importante em alguns casos. “Você se sente muito acolhido, sente-se dentro de um grupo, pertencente a algo. Muitas vezes, quando a pessoa tem um problema com álcool ou com drogas, ela se sente excluída da sociedade, do trabalho, da escola, da família. Então, quando chega a um lugar em que as pessoas a acolhem, é muito potente isso.”

Alcoólicos Anônimos tem ligação religiosa

Alcoólicos Anônimos estão há 70 anos no Brasil
Divulgação
Alcoólicos Anônimos estão há 70 anos no Brasil

No entanto, a ligação da entidade com a religião pode ser um limitador para algumas pessoas. Apesar do AA não promover nenhuma igreja ou seita específica, as bases do grupo preveem a crença em Deus e, em vários casos, as reuniões são feitas em instituições religiosas.

“Aqui no Brasil tudo que envolve religião tem uma questão moral problemática. Se a pessoa já tem problema com o uso de uma substância, ter ainda um julgamento moral não vai contribuir nada, vai trazer ainda mais dificuldades para essa pessoa”, destacou o psicólogo.

Logan acrescentou que o AA também não oferece espaço para aqueles que não querem ou não conseguem parar de beber, uma vez que o objetivo do grupo é manter os participantes sóbrios.

Para ele, as estratégias de cuidado devem ser adaptadas ao contexto e às necessidades de cada pessoa. “Eu tenho pacientes que tomam três latinhas de cerveja e têm um problema de um uso problemático imenso, que aquilo desorganiza de uma forma muito grande. E tem pessoas que estão em situação de rua, que trabalham, têm empresa e que tomam um litro de cachaça por dia e não identificam um problema com álcool.”

Leia também: Beber mais do que um copo de cerveja por dia prejudica função cognitiva

Consumo de álcool matou mais de 3 milhões

O consumo de álcool pode levar ao alcoolismo; o grupo Alcoólicos Anônimos acolhe pessoas que tentam parar com o vício
Pixabay
O consumo de álcool pode levar ao alcoolismo; o grupo Alcoólicos Anônimos acolhe pessoas que tentam parar com o vício

A cada 20 mortes no mundo, uma é causada pelo consumo de álcool . A informação é do último relatório global divulgado na sexta-feira (21), pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Baseado em dados do ano de 2016, o levantamento aponta que, em apenas um ano, o álcool matou mais de 3 milhões de pessoas.

No documento sobre o consumo de álcool global e suas consequências adversas para a saúde, os homens foram apontados como os principais afetados: eles representam mais de três quartos das mortes. No geral, o uso nocivo do álcool causa mais de 5% das doenças no mundo.

Para realizar o relatório, foram considerados diversas causas que teriam relação com a ingestão de bebidas alcoólicas . De acordo com os dados, 28% das mortes atribuídas ao álcool são resultado de lesões, como as causadas por acidentes de trânsito, autolesão e violência interpessoal; 21% se devem a distúrbios digestivos; 19% a doenças cardiovasculares e o restante por doenças infecciosas, câncer, transtornos mentais e outras condições de saúde.

Mundialmente, o álcool foi responsável por 7,2% das mortes prematuras (de pessoas com menos de 69 anos) em 2016. Além disso, 13,5% mortes entre pessoas entre 20 e 29 anos de idade são atribuídas ao álcool.

A estimativa da organização é que 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres sofram com transtornos relacionados ao consumo de álcool, com maior prevalência entre homens e mulheres na região Europeia (14,8% e 3,5%, respectivamente) e na região das Américas (11,5% e 5,1%, respectivamente). O relatório indica que os transtornos por uso de álcool são mais comuns em países de alta renda.

Leia também: Dois copos de cerveja por dia podem aumentar em 20% suas chances de câncer

“O álcool frequentemente fortalece as desigualdades entre e dentro dos países, dificultando a realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que exige que as desigualdades sejam reduzidas. Danos provocados por uma determinada quantidade de bebida é maior para os consumidores mais pobres e suas famílias do que para consumidores mais ricos. Este padrão de maior “dano por litro” é encontrado para muitos prejuízos causados pelo álcool”, aponta o relatório.

De acordo com os Alcoólicos Anônimos , o único requisito para ser membro é o desejo de parar de beber. Para ser membro, não há taxas ou mensalidades.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.