Tamanho do texto

Apesar de Jair Bolsonaro ser contrário a médicos brasileiros prestarem o Revalida, Mandetta acredita que os profissionais precisam provar que estão atualizados após período específico, mas não quando são recém-formados

Luiz Henrique Mandetta defende que médicos brasileiros façam provas periódicas
Divulgação/Governo de Transição
Luiz Henrique Mandetta defende que médicos brasileiros façam provas periódicas


Já anunciado como próximo ministro da Saúde no governo Bolsonaro, o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) voltou a defender que médicos passem por uma prova de proficiência de tempo em tempo para continuarem a exercer a profissão no Brasil. A declaração veio um dia depois do presidente eleito dizer ser contra o Revalida para profissionais brasileiros .

Mandetta , que também é medico, acredita que a medicina evolui muito com o passar dos anos e os profissionais da área precisam se manter atualizados para que não cometam erros que vão prejudicar os pacientes.

“A licença profissional permite isso hoje, possibilita esse tipo de situação. O que a maioria dos países faz atualmente é a avaliação seriada. Tem países em que ela é feita a cada 10 anos, outros a cada 5 anos e outros a cada 15. Nós vamos ter que discutir qual seria a nossa, para que possamos justamente acompanhar como vai ser o exercício profissional do médico brasileiro”, defendeu o futuro ministro em entrevista à Globo.

Um dia antes, Bolsonaro tinha declarado que não vai apoiar a ideia do seu futuro ministro. Segundo o presidente eleito, não faz sentido aplicar mais provas para médicos brasileiros que, na visão dele, já deram provas de que são capacitados.

"Sou contra o Revalida para médicos brasileiros. Ele está sugerindo Revalida com certa periodicidade. Sou contra porque vai desaguar na mesma situação que acontece com a OAB”, afirmou Bolsonaro.

Mandetta se defendeu dizendo que sua proposta não é fazer uma nova prova para recém-formados, como acontece com a OAB, mas depois de um certo tempo em que o médico exerce a profissão.

“Esse jovem médico está deixando a universidade após 7.400 horas de capacitação. É o maior tempo de capacitação no Brasil. Nós não podemos pegar esse profissional, depois de todo o investimento feito nele, pelo mercado ou mesmo pelo governo brasileiro, por meio de políticas públicas, como o Fies e resumir tudo isso em uma prova e dizer que ele não pode exercer. Não é essa a ideia”, disse o deputado.

O Revalida é um programa criado pelo Ministério da Educação em conjunto com o Ministério da Saúde para que médicos formados em outros países possam exercer a profissão no Brasil. Para isso, é necessário realizar uma prova anual em que prova estar apto.

A discussão sobre a proficiência de médicos brasileiros é a primeira discordância entre Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta . O deputado do DEM foi um dos responsáveis por montar o plano de governo na área de saúde do então candidato do PSL nas eleições de 2018.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.