Tamanho do texto

Campanha de vacinação segue até o final de maio e a meta é imunizar pelo menos 90% de aproximadamente 59,5 milhões de pessoas no País

O Brasil tem, neste sábado (4), o Dia D de mobilização contra a gripe. A previsão, de acordo com o Ministério da Saúde, é que mais de 41 mil postos de saúde permaneçam abertos em todos os estados ao longo do dia para aplicarem a vacina contra a gripe. Para saber onde se vacinar na cidade de São Paulo, basta clicar aqui .

Criança recebendo vacina
Marcelo Camargo/ABr
41 mil postos estão abertos em todo o Brasil neste sábado (4) para aplicar a vacina contra a gripe


Leia também: Em 2019, número de casos de sarampo teve aumento de 300% no mundo, diz OMS

Devem receber a dose da vacina contra a gripe crianças com idade entre 6 meses e menores de 6 anos; grávidas em qualquer período gestacional; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores da saúde; povos indígenas; idosos; professores de escolas públicas e privadas; pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

Profissionais das forças de segurança e salvamento também passaram a fazer parte do público-alvo da campanha neste ano. Por meio de nota, o ministério informou que o grupo inclui policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas, totalizando cerca de 900 mil pessoas.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou no último dia 10 e prossegue até 31 de maio. A meta é imunizar pelo menos 90% de cerca de 59,5 milhões de pessoas.

Leia também: Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya

Vacina Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, até o dia 30 de abril, 12,2 milhões de pessoas haviam sido imunizadas. O número representa 21% do total de grupos que devem receber a dose. O público com maior cobertura, até o momento, é o de puérperas, com 38,8%, seguido pelas gestantes (33,4%); indígenas (27,6%); crianças (26,4%); idosos (21,5%); trabalhadores de saúde (17,1%) e professores (14,2%).

“Neste ano lançamos o movimento Vacina Brasil e não só para a vacina da gripe, mas como uma oportunidade para todos atualizarem as suas cadernetas de vacinação. Amanhã [sábado] é o dia D, um dia de grande mobilização e estamos fazendo um trabalho para aumentar os índices de vacinação no estado de São Paulo também”, disse na sexta-feira o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

No Rio

Cristo Redentor
Fernando Frazão/ABr
Cristo Redentor recebe iluminação especial para alertar para importância da vacinação contra a gripe

A meta no estado do Rio de Janeiro é vacinar cerca de 4,8 milhões de pessoas. "E a gente espera atingir, no mínimo, 90% dessa população". As vacinas estão disponíveis. A campanha está sendo desenvolvida nos 92 municípios, incluindo o Dia D. São 14 mil profissionais trabalhando em 1.845 postos de saúde, informou o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio de Janeiro revelam que já foram imunizadas 15% das pessoas, entre gestantes e crianças de seis meses a menores de seis anos de idade.

Leia também: Duas mortes por chikungunya foram registradas no Rio em 2019

O estado teve baixa transmissão de gripe neste ano, ao contrário de outros estados. "Não houve nenhum óbito por influenza confirmado no Rio de Janeiro. Esse é um dado positivo mas, por outro lado, há um desafio maior que é sensibilizar as pessoas sobre a necessidade da vacinação, para manter essa baixa transmissão", disse Chieppe.

Dia D está dentro da expectativa, diz ministro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse hoje (4), durante visita a uma Unidade Básica de Saúde (UBS), na zona sul da capital paulista, que participa do Dia D da campanha de vacinação contra a gripe, que as ações estão indo bem, dentro das expectativas do ministério, com 100% das unidades de saúde abastecidas e 100% da força de trabalho atuando.

"É uma oportunidade que teremos até o fim de maio para as pessoas se vacinarem. Hoje fica um dia no qual chamamos bastante a atenção. O Dia D não é dia para esgotar os índices, mas é um dia que queremos que todos saibam que estamos em plena campanha e que além de vacinar contra a gripe, há a oportunidade para as demais vacinas", afirmou.