Tamanho do texto

Órgão determinou a recolha dos medicamentos para hipertensão por conta de uma suspeita de contaminação que pode causar câncer; saiba mais

Remédios
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Anvisa anunciou o recolhimento de 200 lotes de remédio contra a pressão alta

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou, na noite desta quarta-feira (8), a recolha de 200 lotes de remédios contra a pressão alta. De acordo com o órgão, a medida é preventiva e foi tomada para "garantir a saúde da população". Existe uma suspeita de que os medicamentos foram contaminados por "impurezas" que podem causar câncer.

Leia também: Conselho Federal de Medicina aponta irregularidades em hospitais públicos

A lista de medicamentos recolhidos pela Anvisa é compostas pelas chamadas "sartanas", como a losartana, valsartana e irbesartana. Para conferir a relação compelta dos remédios que serão recolhidos, clique aqui .

Os remédios foram recolhidos pois existe uma suspeita de que eles tenham sido contaminados por "impurezas" que podem causar câncer em casos de exposição a longo prazo.

"O recolhimento determinado pela Agência atinge apenas lotes específicos de medicamentos, estratégia adotada em diversos países para os mesmos produtos. Desde julho de 2018, a Anvisa tem realizado publicações e ações alinhadas com agências do mundo inteiro, tais como a Agência de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos da América (FDA) e a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), visando a segurança da saúde da população e a qualidade dos produtos consumidos", declarou a Anvisa, por meio de nota oficial.

A agência ainda destacou que o risco de contaminação é baixo (0,00017%) e que as pessoas devem manter o tratamento até consultarem um médico.  "Para quem tem em casa o medicamento com o mesmo número de algum lote recolhido, a Agência orienta que o tratamento de hipertensão não seja interrompido até que se faça a troca por outro medicamento. Isso porque a interrupção pode causar sérios prejuízos imediatos, como risco de morte por derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal", informou a Anvisa.