Tamanho do texto

Empresas vão reduzir quantidade de ambulatórios e médicos credenciados

Minha Saúde

Plano de saude
shutterstock
Planos de saúde devem diminuir números de profissionais cadastrados

No mundo inteiro, mudanças nos planos de saúde estão impactando a relação entre as operadoras e os hospitais. E no Brasil, não tem sido diferente. A tendência é que as operadoras reduzam a quantidade de ambulatórios e médicos credenciados. No entanto, apesar de menos estabelecimentos disponíveis, há maior articulação entre os prestadores de serviços. Isso faz parte de um novo modelo de atendimento que privilegia a medicina preventiva.

Leia também:  STF começa a julgar fornecimento de remédios de alto custo pelo SUS

Com essas mudanças nos planos de saúde , é esperado que a pressão sobre os reajustes diminua. Entretanto, com o aumento das redes próprias de atendimento, há risco de ingerência das operadoras sobre o tratamento dos pacientes.

Essa mudança pode reduzir ou aumentar o quanto eu pago pelo plano de saúde?

As operadoras afirmam que o novo modelo de pagamento reduzirá desperdícios, e com isso os reajustes serão menores. Alguns dizem até que esse efeito poderia ser sentido em um ano. No entanto, nenhuma empresa informou quanto conseguiu economizar. Também não foi informado qual foi o efeito na atenção à saúde naqueles prestadores de serviço que já adotaram novas formas de remuneração.

O número de médicos, hospitais e clínicas credenciados no meu plano pode diminuir?

Os especialistas avaliam que deve haver uma redução na rede credenciada. Esse movimento vem acontecendo no mundo inteiro e tem relação com a transformação na forma de assistência. Com o foco em medicina preventiva e cuidado coordenado, as operadoras tendem a investir em uma rede menor, mas com unidades mais articuladas. Isto quer dizer que trocam mais informação entre elas.

Uma rede menor é uma má notícia para o beneficiário?

Para os especialistas, não necessariamente uma oferta de rede menor é prejudicial ao consumidor. Mas é preciso respeitar o contrato e não restringir a escolha. No entanto, há uma maior preocupação de que, com o investimento de operadoras em redes de assistências próprias, ambulatoriais, laboratoriais e hospitalares, haja interferência das empresas na conduta médica.

Como garantir que seja adotada a melhor conduta médica e não a de menor custo?

Os especialistas defendem a adoção de indicadores de qualidade e transparência nas informações. Dessa forma, seria possível garantir que está sendo dada a melhor assistência aos usuários de plano de saúde.

Era necessário, de fato, mudar a forma de pagamento dos prestadores de serviço? Ou essa é só uma manobra para as operadoras terem mais lucro?

Há consenso entre especialistas de todo o mundo de que o modelo hegemônico de pagamento, o fee for services , que remunera por procedimento, não é o ideal. A própria Organização Mundial para a Saúde (OMS) já divulgou relatório em que aponta que esse modelo estimula desperdício e aumenta custos. Segundo os especialistas, além de uso excessivo, o pagamento por serviços não promove a melhor assistência.

De que forma a mudança de modelo pode alterar a qualidade do atendimento ao paciente?

Muitos modelos de remuneração que vêm sendo implementados relacionam parte do pagamento ao desfecho clínico do paciente. Em alguns casos, o pagamento responsabiliza os planos de saúde , inclusive, a intercorrência que aquele paciente venha a ter depois de 30 a 90 dias do procedimento. Na visão das operadoras isso estimula que os prestadores atuem da forma mais eficiente e eficaz para a solução do problema do paciente.