Tamanho do texto

Conhecida como síndrome de burnout, doença foi descrita como "resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito"

estresse profissional
shutterstock
Síndrome de burnout foi incluída no capítulo de "problemas associados" ao emprego e desemprego

A Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o esgotamento profissional, conhecido como síndrome de burnout, na Classificação Internacional de Doenças. A lista é baseada em conclusões de especialistas do mundo inteiro e tem como objetivo estabelecer tendências e estatísticas de saúde.

Leia também: Ministério da Saúde abre inscrições para o Mais Médicos

“É a primeira vez que o esgotamento profissional entra para a classificação”, anunciou Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS. A inclusão foi aprovada durante a 72ª Assembleia Mundial da OMS, que reúne os Estados membros da organização desde o último dia 20, em Genebra.

A síndrome de burnout foi incluída no capítulo de “problemas associados” especificamente ao emprego e ao desemprego e foi descrito como “uma síndrome resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito”.  Segundo a OMS, os sintomas que acompanham a doença são: sensação de esgotamento, eficácia profissional reduzida e cinismo ou sentimentos negativos relacionados ao trabalho.

Leia também: Uso excessivo de remédios pode matar 10 milhões ao ano até 2050, aponta ONU

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11) - documento em que o esgotamento profissional foi integrado - recebeu novos capítulos e deve entrar em vigor no dia 1 de janeiro de 2022.