Tamanho do texto

Os insetos também podem ajudar a aumentar o consumo de vitamina A, C e E

Women's Health

A alimentação sempre foi apontada como uma das formas de prevenir câncer. Agora, contudo, cientistas descobriram uma forma um tanto diferente de evitar a doença: comer insetos.

Leia também: Após ser picada por um carrapato, menina de cinco anos fica 12 horas paralisada

Salada com larvas de insetos arrow-options
shutterstock
Começar a comer insetos pode ser uma boa ideia caso você queira se prevenir contra o câncer

Ok, nós sabemos que não se trata de um ingrediente clássico, que costumamos ver em saladas ou smoothies , mas acredite, isso pode realmente ser benéfico para a saúde.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Frontiers in Nutrition, estudiosos da University of Rome (Itália) concluíram que alguns tipos de insetos , como formigas, larvas e gafanhotos, têm mais antioxidantes do que o suco de laranja. Sendo assim, reduzem o desenvolvimento de radicais livres potencialmente perigosos no corpo, protegendo contra danos no DNA.

Leia também: Proteja-se da dengue: saiba como e quantas vezes aplicar repelente de inseto

Como insetos podem prevenir câncer?

Os cientistas estudaram vários insetos mortos, incluindo formigas, gafanhotos e grilos. Eles, então, testaram o pó para descobrir quantos antioxidantes – compostos como as vitaminas A, C e E e beta-caroteno – estavam neles. Apenas as partes solúveis dos insetos foram usadas – suas asas e ferrões foram retirados primeiro.

Os testes revelaram as larvas, lagartas africanas e cigarras gigantes tinham o dobro de antioxidantes que o azeite de oliva. Já o grilo e gafanhoto tinham cinco vezes mais antioxidantes que o suco de laranja.

“Os insetos comestíveis são uma excelente fonte de proteína, ácidos graxos poliinsaturados, minerais, vitaminas e fibras”, disse o cientista Mauro Serafini, de acordo com o Daily Mail. “No futuro, poderemos também adaptar os regimes alimentares para a criação de insetos, a fim de aumentar seu conteúdo antioxidante para consumo animal ou humano.”

Leia também: Barata é retirada de ouvido de americana após ficar dez dias presa no local

De acordo com Serafini, quase um quarto das pessoas no mundo já comem insetos . “O resto de nós precisará de um pouco mais de incentivo”, brincou.