Tamanho do texto

Doença pulmonar relacionada ao uso de cigarros eletrônicos ainda é investigada nos EUA. No Brasil, um caso foi registrado

Um homem de 50 anos morreu no estado norte-americano do Kansas. De acordo com as fontes oficiais do país, a morte é a segunda do estado relacionada ao uso de cigarro eletrônico - conhecido como vape - e à misteriosa doença pulmonar que já vitimou nove pessoas apenas nos Estados Unidos. 

Leia mais: Vape mata! Com casos fatais nos EUA, produto é ainda mais perigoso no Brasil

menino manuseia líquido de vapes arrow-options
Yago Sales/IG
Apenas no Kansas, doença pulmonar relacionada ao vape já fez duas vítimas fatais

Agora, os órgãos de saúde dos Estados Unidos investigam os componentes presentes nos vaporizadores para entender a maneira como a doença pulmonar é transmitida. Por enquanto, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) desaconselha o uso do dispositivo em qualquer situação, ao mesmo tempo em que o governo discute proibí-lo.

Por ser um produto utilizado há muitos anos e que só agora apresenta casos de doenças relacionadas ao seu uso, a principal suspeita é de que haja uma nova substância entre as inaladas com o vape. Até o momento, as entidades acreditam que seja o acetato de vitamina E, muito usado em essências - ou juices - de THC

Os sintomas da inflamação pulmonar envolvem febre alta, fadiga, tosse, dores abdominais, náusea e vômitos. No primeiro momento, a doença é facilmente confundida com uma pneumonia bacteriana.

No Brasil, o vape é proibido desde 2009, medida que compõe a política antifumo do país. Apesar disso, o produto é facilmente encontrado no mercado clandestino - tanto nas ruas quanto na internet - sob o apelo de que seria uma alternativa “mais saudável” ao cigarro convencional. 

Leia mais: Uso de cigarro eletrônico deixa jovem com 'pulmão de 70 anos'

No início deste mês, o primeiro caso de internação relacionada ao dispositivo foi registrado no país. A vítima foi o publicitário Pedro Ivo, de 29 anos, que sofreu um derrame de líquido na pleura, membrana que recobre o pulmão . Após o procedimento, Pedro publicou um apelo aos seus amigos no Instagram: “A vida me ligou um sinal vermelho e disse chega!”, disse o texto.