Tamanho do texto

Segundo pesquisa, risco da carne vermelha para humanos é "mínimo"

Um estudo polêmico publicado pela revista acadêmica Annals of Internal Medicine trouxe de volta o tradicional debate sobre os possíveis danos da carne vermelha à saúde. De acordo com a pesquisa, que analisou dados de outros artigos publicados anteriormente, a carne oferece “risco mínimo” aos seres humanos. 

carne vermelha em prato arrow-options
Getty Images
Comunidade médica diz que estudo sobre carne vermelha é "irresponsável"

Entre os pontos analisados por 14 cientistas da universidade de Dalhousie, estão os riscos de problemas no coração e câncer, frequentemente apontados como males do consumo exagerado de carne. Os estudo considerou 61 artigos sobre 55 populações, numa amostragem de quase 4 milhões de pessoas. 

Os resultados, porém, atraíram uma série de críticas da comunidade médica, que considerou a publicação “irresponsável”. Entre os críticos, estão pesquisadores da universidade de Oxford, que afirmaram que o estudo “prejudica a credibilidade da ciência da nutrição e desgasta a confiança pública na investigação científica”.

Leia mais: Crianças podem seguir uma dieta vegana? Especialistas tiram todas as dúvidas

Já o pesquisador Frank Hu, da universidade de Harvard, disse em entrevista à revista Time que “apenas nos Estados Unidos, a redução no consumo de carne vermelha poderia reduzir 200.000 mortes por ano” e posicionou-se fortemente contra a publicação. 

No Brasil, a  orientação do Ministério da Saúde para o consumo de carne vermelha é de no máximo 500 gramas por semana, o equivalente a cerca de 70 gramas por dia. A média é parecida com a de outros países que buscam medidas para reduzir o índice de doenças cardiovasculares e câncer, como a Inglaterra.