Tamanho do texto

Atriz desabafa sobre a perda de controle sobre a comida, mal que afeta quase 5% dos brasileiros

Na noite de ontem, a atriz Cleo Pires voltou a  falar sobre sua compulsão alimentar em entrevista à TV Globo. A artista, que diz ter engordado 20kg nos últimos anos, desabafou sobre os ataques gordofóbicos que ainda sofre nas redes sociais. De acordo com ela, a violência foi o gatilho para o transtorno que prejudica sua saúde física e mental.

mulheres de lingerie arrow-options
Reprodução/instagram/@cleo
Ofensas nas redes sociais contribuiu para compulsão alimentar de Cláo Pires

"Tinha vergonha de aparecer nos lugares. Aí, você fica mais compulsiva ainda, aí você come mais ainda, você perde o controle das suas emoções... parece um pesadelo" contou a global, que diz ter chegado a fazer uso de remédios para emagrecer , mas descontinuou o uso por causa dos efeitos colaterais.  

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o transtorno que atinge Cléo afeta cerca de 2,6% da população mundial. No Brasil, porém, a taxa é duas vezes maior do que a média global: 4,7%. 

Também é importante destacar que a compulsão alimentar , caracterizada pelo descontrole sobre a comida, pode afetar pessoas de qualquer idade, magras ou gordas. Em geral, a doença costuma estar aliada a outros transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão. 

Em  entrevista prévia ao iG, a especialista em obesidade Claudia Bernardi explica que a compulsão é uma perda de controle da parte mais racional do cérebro, que termina fazendo com que a comida seja vista como uma maneira de compensar problemas. "o cérebro é formado por dois sistemas: o emocional e o racional. Muitas vezes, é preciso desenvolver o sistema racional para ficarmos no controle alimentar, pois, em casos de compulsão, ele está improdutivo em relação ao sistema emocional”, diz

Leia mais: Chamada de gorda, Cléo rebate: "o estado do meu corpo interfere na sua vida?"

Para Bernardi, casos com o de Cléo - nos quais a pressão para emagrecer contribui para a compulsão - são comuns. “Se a pessoa colocar na cabeça que terá que viver em uma dieta eterna para se manter no peso ideal, seu sistema emocional vai aparecer, dificultando o processo. Uma dica é planejar o emagrecimento e entender que será um passo de cada vez, um dia após o outro.”

mulher na frente da geladeira arrow-options
shutterstock
Condicionar o cérebro pode ajudar no transtorno


E o que fazer para controlar a compulsão por comida? 

De acordo com a especialista, existem algumas dicas que podem ajudar na compulsão, embora a visita a um nutricionista e acompanhamento psicológico sejam indispensáveis na maioria dos casos. As dicas são: 

✓ Não entenda a dieta como algo eterno 

Enxergar a dieta como um sacrifício não ajuda em nada. E quando esse “sacrifício” surge como algo que será feito para o resto da sua vida, ela se torna um monstro. Saber equilibrar a rigidez na alimentação e fazer as pazes com a comida é o primeiro passo para mudar o olhar sobre ela. 

Leia mais: Blogueira vence compulsão alimentar e consegue emagrecer 51kg

✓ Descubra a origem da sua fome

O mais importante na hora de redefinir a relação com a alimentação é descobrir o que conduz ao desejo por comida : é fome ou vontade comer? Para que a resposta seja mais fácil, é importante fazer essa pergunta e refletir sobre ela sempre que possível. 

✓ Redefina o piloto automático

Pode não parecer, mas muitas das nossas escolhas alimentares são um condicionamento automático do cérebro, que surgiu após anos de “treinamento”. A especialista reforça que buscar as escolhas conscientes podem ajudar a tratar o “vício” do cérebro e, assim, a compulsão alimentar .