Durante sua vida, Edes Vieira foi conhecido como o melhor marceneiro de Cabo Frio; Domingos Alves, um orgulhoso doador de sangue e Regina Maria é descrita pelos netos a mulher mais forte que existiu.

Os títulos, uma homenagem carinhosa feita pelas famílias das vítimas de Covid-19 no Brasil, foram compartilhada pelo Memorial Inumeráveis , uma plataforma que permite humanização às suas histórias - frequentemente notificadas como estatíticas - e busca ajudar no processo de luto dos familiares que, em uma situação atípica e dolorosa, precisam lidar com a perda sem os devidos rituais de despedida.

SP
undefined
Homenagens ajudam famílias a vivenciar despedida

Além de Edes, Domingos e Regina, outras dezenas de histórias estão disponíveis no site, que conta com uma equipe de escritores para organizar e publicar os memoriais.

"Todas as histórias nos marcam, sem exceção. As pessoas nos contam o que era único daquela pessoa, o que tornava uma relação especial", diz Rogério Oliveira, um dos idealizadores da plataforma.

Para registrar um familiar ou amigo no memorial , existem três caminhos: é possível preencher um formulário com informações básicas para que a própria equipe produza um texto, enviar histórias e informações por uma mensagem de áudio ou o texto pronto, da maneira como será publicado após uma revisão da equipe do site.

Leia mais: Covid-19: crianças merecem cuidados especiais durante pandemia

De acordo com o psicólogo e psicanalista Ronaldo Coelho, a homenagem é ainda mais importante quando consideramos o fato de que, por uma questão de segurança sanitária, as vítimas de Covid-19 são enterradas sem velório, o que torna o luto ainda mais doloroso.

"No momento em que um memorial é construído com a colaboração dos seus mais queridos entes, torna-se um potente marco simbólico. Um lugar na história para lembrar a todos que aquelas vidas não foram em vão", defende o profissional.

Covid-19: crianças merecem cuidados especiais durante a pandemia

E é esse marco simbólico que, de acordo com os criadores da plataforma, permite que o momento de tristeza seja resignificado para uma "celebração da vida" de cada uma das vítimas . "

É inegável que existe uma tristeza envolvida no processo, mas nós nos sentimos bem em expressar uma memória interessante, um momento engraçado, um momento de cura . Para nós, é algo que traz mais leveza do que qualquer peso. Respeitar a história de cada um é algo que nos deixa bem", explica Rogério.

Mais de 50% dos adultos têm fator de risco para ter Covid-19 grave

"A humanização é parte do respeito às vítimas e fundamental para que haja esse desligamento saudável durante o luto e que as lembranças possam ser saudáveis", reforça o neurocirurgião e neoricientista do hospital das clínicas, Fernando Gomes.

De acordo com o médico, o momento exite um "olhar para o que vai ficar de todo esse processo de luto coletivo" e cuidados ainda mais atentos à saúde mental dos indivíduos.

    Veja Também

      Mostrar mais