diabetes
shutterstock
De acordo com pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, existe uma relação entre a diabetes e baixa escolaridade

A concentração de diabéticos e hipertensos entre a população com menor escolaridade no Brasil é uma das relações que chama atenção do Ministério da Saúde. O dado foi apurado pela pesquisa Vigitel 2019 - Vigilância de doenças crônicas por inquérito telefônico e apresentado pela Coordenadora Geral de Doenças e Agravos não Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde, Luciana Sardinha.

De acordo com o a apresentação, 41,5% das pessoas diagnosticadas com  hipertensão possuem uma escolaridade menor, com educação formal até no máximo oito anos de idade. Para com Luciana Sardinha, a justificativa pode estar relacionada à renda e qualidade de vida dos pacientes. "A população com menor escolaridade é, por si só, mais vulnerável quando a gente pensa em renda. A pesquisa não questiona a renda dos entrevistados, mas nós trabalhamos com a escolaridade como um proxy de renda", afirma a coordenadora.

A informação se repete nos dados sobre pacientes diabéticos , cuja concentração entre os entrevistados de escolaridade mais baixa é de 14.8%. Outros aspectos periféricos, como acesso á alimentação saudável e consumo de ultraprocessados podem estar relacionados ao índice.

Leia mais: Hospitais nos EUA têm forte queda no uso da hidroxicloroquina

Os dados se tornam ainda mais preocupante quando relacionados ao fato de que os diabéticos e hipertensos estão inseridos no grupo de risco para a Covid-19 . O Ministério da Saúde traçou o perfil do brasileiro em relação as doenças crônicas mais incidentes no país: 7,4% tem diabetes, 24,5% tem hipertensão e 20,3% estão obesos

A pesquisa ainda mostra que, no período entre 2006 e 2019, a prevalência de diabetes passou de 5,5% para 7,4% e a hipertensão arterial subiu de 22,6% para 24,5%. Em relação à diabetes, o perfil de maior prevalência está entre mulheres e pessoas adultas com 65 anos ou mais. O mesmo perfil se aplica a hipertensão arterial , chegando a acometer 59,3% dos adultos com 65 anos ou mais, sendo 55,5% dos homens e 61,6% das mulheres.

    Veja Também

      Mostrar mais