Atualmente o Brasil tem 206 marcas de testes para a detecção da  Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-coV-2), autorizadas – a maior parte -, com resultados rápidos. 

Anvisa testou apenas parte dos pedidos de comercialização
Pixabay
Anvisa testou apenas parte dos pedidos de comercialização

De acordo com dados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o órgão recebeu 501 pedidos de empresas para comercializarem testes no Brasil. Desse total, apenas 470 foram analisados e apenas 206 foram autorizados. Ou seja, a agência considerou seguros e confiáveis 43,9% dos exames. Outros 264 (56,1%) acabaram reprovados e não podem ser vendidos ou usados por aqui.

O primeiros testes liberados pela agência chegaram ao mercado em 19 de março — 20 dias após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil, em 28 de fevereiro. Inicialmente, o órgão liberou oito testes. O tempo médio para avaliação dos registros na Anvisa está em torno de 15 dias.

Apesar da grande oferta de testes rápidos para Covid-19 , a averiguação do adoecimento não é consenso na comunidade científica. Esses exames geram controvérsia pela possibilidade de falsos resultados. Isso, segundo estudiosos, pode acontecer devido à qualidade do produto e a fatores como tempo de contaminação do paciente. As informações são do  Metrópoles .

    Veja Também

      Mostrar mais