vacina Rússia
Ministério da Saúde da Rússia
vacina Rússia

A corrida para imunizar o mundo contra a Covid-19 pode levar ao lançamento de uma vacina não muito eficaz o que, segundo cientistas, pode acabar piorando a pandemia . Diante de um cenário de competição entre políticos e empresas comerciais para ser os primeiros a licenciar uma vacina, estudiosos defendem que o ideal seria aguardar até que resultados abrangentes mostrassem pelo menos entre 30% e 50% de eficácia.

Na última sexta-feira, ministros do Reino Unido anunciaram que poderão ser aprovados poderes de emergência para se concluir qualquer vacina, através dos processos regulatórios, com velocidade sem precedentes antes do final do ano. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , quer anunciar uma vacina antes das eleições presidenciais de 3 de novembro.

Conselheiro da Organização Mundial da Saúde ( OMS ), o professor Richard Peto, da Universidade de Oxford , na Inglaterra, afirma que uma vacina é vital para deter a pandemia, mas alerta que a primeira vacina seria comprada e usada em todo o mundo, mesmo que tivesse baixa eficácia. Segundo ele, mesmo que protegesse apenas uma minoria da população, o primeiro imunizante seria considerado o padrão pelo qual as vacinas posteriores seriam medidas.

"Eu acho que há uma grande pressa, uma pressa um tanto nacionalista e também uma pressa um tanto capitalista também, para ser absolutamente o primeiro a registrar uma vacina, e isso tornará realmente mais difícil avaliar outras vacinas. Precisamos com urgência de uma vacina que funcione, mas realmente precisamos de evidências bastante fortes de eficácia", disse Peto.

Cientistas do Grupo de Especialistas em Ensaios de Vacinas Solidárias da OMS , que é formado por cientistas líderes em todo o mundo, disseram na última semana ao jornal médico The Lancet que uma vacina ruim seria pior do que nenhuma vacina, até porque as pessoas que a tivessem presumiriam que não estavam mais em risco e impediriam o distanciamento social .

    Veja Também

      Mostrar mais