BBC News Brasil

Efeitos da Covid-19: o que causa e como tratar a queda de cabelo que afeta 1 em 4 infectados
Cristiane Martins - De Londres para a BBC News Brasil
Efeitos da Covid-19: o que causa e como tratar a queda de cabelo que afeta 1 em 4 infectados

A estudante universitária Janaina Corrêa, de 24 anos, contraiu coronavírus em Macapá em abril de 2020, quando a doença havia acabado de chegar ao Brasil. Passou duas semanas com febre, náusea e falta de ar. Mas a doença não foi embora com esses sintomas. Além da falta de ar e da fadiga persistentes, começou a notar que estava perdendo muito cabelo. A situação se agravou quando ela, que já tinha perdido dois tios para a covid, viu sua mãe ser internada numa UTI com a doença.

"Aquilo me matou porque a gente só tem notícia de quem está em UTI uma vez por dia. E tem que esperar 24 horas para saber como sua mãe está. Dentro do hospital comecei a perceber que meu cabelo estava caindo muito porque onde eu andava, me encostava, eu via cabelo caindo. Ele não caía, ele despencava. Sempre tive muito cabelo, mas se tornou assustador porque viraram falhas no meu couro cabeludo."

A mãe dela conseguiu se recuperar da covid-19, mas também passou a enfrentar queda de cabelo acentuada depois da infecção. Vários conhecidos delas relataram o mesmo sintoma. E hoje, quase um ano depois de sua infecção, o cabelo de Janaina voltou a ganhar volume.

Esses casos ilustram um sintoma associado que estima-se aparecer em 25% dos pacientes com a chamada covid-19 persistente (ou covid longa), que é uma condição de saúde que dura semanas ou meses depois do início da infecção pelo novo coronavírus, e não se manifesta necessariamente com os mesmos sintomas que afetaram a pessoa antes.

Há dezenas deles, como cansaço extremo, problemas de memória, dores nas articulações e erupções na pele. Segundo pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, do México e da Suécia, que analisaram dezenas de estudos sobre o tema com 48 mil pacientes ao todo, os cinco sintomas mais comuns da covid prolongada são fadiga (58%), dor de cabeça (44%), dificuldade de atenção (27%), perda de cabelo (25%) e falta de ar (24%).

Há pelo menos sete estudos acadêmicos que abordam a ligação entre essa queda de cabelo acentuada e covid-19, mas as causas, a duração e os tratamentos ainda não estão muito claros. Estima-se que a covid longa esteja associada a duas formas de queda de cabelo acentuada já conhecidas da medicina: o eflúvio telógeno e a alopecia areata.

Segundo Paulo Criado, coordenador do departamento de medicina interna da Sociedade Brasileira de Dermatologia, problemas emocionais, doenças infecciosas ou autoimunes podem causar queda de cabelo de diversos tipos. O mais comum é a queda difusa em todo o couro cabeludo, que é chamada de eflúvio telógeno. Há pacientes com predisposição genética ou doenças autoimunes, por exemplo, que podem apresentar quedas em forma de rodelas, condição conhecida como alopecia areata.

Em entrevista à BBC News Brasil, Criado explica que é comum uma queda de cabelo acentuada meses depois de doenças infecciosas mais graves, como dengue, chikungunya, zika, além de episódios de estresse, perda de peso e parto.

"Esses todos são eflúvios. O que se acredita agora é que o coronavírus faça parte desse grupo de doenças que podem estar ligadas à queda capilar acentuada."

Em geral, pacientes com perda de cabelo relatam que os fios começam a cair em volume bem maior do que o normal em torno de 2 ou 3 meses depois da infecção. E meses depois ele se recupera espontaneamente, sem tratamento.

No caso da alopecia areata, Andrew Messenger, professor honorário de dermatologia da Universidade de Sheffield e presidente do Instituto de Tricologia do Reino Unido, explica que os cientistas ainda têm diversas dúvidas sobre as causas e os mecanismos envolvidos.

"No momento, não temos uma imagem clara do que está acontecendo. Se o coronavírus serve de gatilho para quem já tem predisposição genética de desenvolver alopecia areata, que é uma doença capilar associada a uma reação autoimune, ou se isso está ligado a algum fator desconhecido ou ao estresse em torno da covid-19 no caso de pessoas sem essa predisposição genética", afirmou à BBC News Brasil.

Especialistas afirmam que a pandemia ainda está no início e não é possível neste momento precisar a duração da perda de cabelo.

Diagnósticos e eventuais medicamentos para a alopecia devem ser avaliados caso a caso por um dermatologista. Mas não há nenhum indicativo até o momento de que os eventuais tratamentos sejam diferentes dos que costumam ser prescritos por médicos contra queda de cabelo comum, a exemplo da alimentação equilibrada.

A BBC News Brasil reúne abaixo o que se sabe até o momento sobre possíveis causas, fatores de risco, os mecanismos do corpo envolvidos, eventuais tratamentos, o que pode piorar ou não essa queda de cabelo acentuada e o que fazer nesses casos.

Como a covid-19 pode afetar o ciclo normal do cabelo

A função do cabelo vai bem além da nossa autoimagem: passa por aspectos como tato, sensibilidade e proteção de orifícios e da pele contra a radiação ultravioleta (UV).

Escova com muitos fios de cabelo
Getty Images
Dermatologista diz que o cabelo que sai na escova de pentear é um fio que já está "morto" e solto dentro do couro cabeludo

Os pelos e fios de cabelo surgem no folículo piloso (ou raiz), uma espécie de "fábrica" localizada na camada profunda da pele que se desenvolve ao longo da primeira metade da gestação do bebê. Estima-se que cada pessoa tenha uns 5 milhões dessas raízes espalhadas por quase toda a superfície do corpo, sendo quase 100 mil no couro cabeludo. Esse número não muda na vida adulta.

A grande maioria produz um fio de cada vez, num complexo processo de "fabricação" na raiz. Envolve divisão celular que gera células na base para o crescimento do cabelo, e depois elementos como glândulas produtoras de sebo para manutenção e flexibilidade, células geradoras de melanina para a coloração dos fios e papilas que cuidam do ciclo de vida dos fios. Arrancar um fio "pela raiz", por exemplo, pode danificar essa "fábrica".

De modo simplificado, o que identificamos como fio de cabelo é a "parte de cima" da estrutura iniciada na raiz, ou seja, enxergamos uma haste de células já mortas que foi se revestindo principalmente de queratina, proteína que garante a sustentação dessa estrutura com várias camadas.

Em geral, esse ciclo de vida dura de dois a sete anos e é dividido em três fases. Primeiro, o fio de cabelo cresce quase 1 cm por mês ao longo de três anos, em média, na chamada fase anágena. Em seguida, passa de duas a três semanas na fase catágena, momento em que deixa de ser "alimentado" na base por novas células, para de crescer e se prepara para ser substituído. A terceira e última é a fase telógena (ou repouso), que dura de três a quatro meses. É nela que o cabelo cai ao ser expulso pelo novo fio que está sendo formado no mesmo folículo piloso.

O problema é que esse ciclo pode sofrer distúrbios a partir de problemas emocionais, anemia, doença autoimune ou doença infecciosa, por exemplo. E daí pode surgir o chamado eflúvio telógeno, que antecipa o fim da vida do cabelo: uma proporção muito maior de fios muda da fase de crescimento para a fase de queda.

Todo mundo costuma perder diariamente de 30 a 150 fios. E em condições como o eflúvio telógeno, o volume pode chegar a 300 por dia. Essa queda mais volumosa se dá como uma diminuição geral do volume de cabelo na cabeça como um todo.

Um fator que tem sido percebido nos casos de queda de cabelo acentuada ligada à covid é a distância temporal entre a infecção e a perda de fios. Isso se dá porque o eflúvio telógeno costuma ocorrer três meses depois do fator que desencadeou essa condição de saúde e pode durar de três a seis meses.

"As razões não estão claras para a ligação entre a queda de cabelo acentuada e a covid-19. Doenças associadas a altas temperaturas do corpo afetam o crescimento do cabelo pelos folículos capilares, que são mantidos na fase de repouso do ciclo capilar por dois ou três meses e daí eles caem. Por isso que pessoas com essa condição vivenciam a queda dos cabelos em torno de dois a três meses depois do evento que causou isso. Isso pode ser bastante dramático, com toda essa queda de cabelo, mas a grande maioria dos casos ele se recupera depois de meses", explica Messenger, da Universidade de Sheffield.

A causa é desconhecida em um terço dos casos diagnosticados de eflúvio telógeno, segundo dados da Associação Britânica de Dermatologia. E os gatilhos mais comuns são parto, perda de peso acentuada, trauma, tratamento de câncer, doenças graves ou mesmo um acontecimento bastante relevante na vida de alguém (como a perda de um parente próximo).

Mulher olha pela janela de máscara
Getty Images
Não há dados detalhados sobre o número de pacientes que sofrem de covid-19 longa

Segundo Michael Freeman, professor da Bond University e diretor do departamento de dermatologia do Gold Coast Hospital, ambos na Austrália, o surgimento do eflúvio telógeno nessas situações funciona como se o corpo abandonasse temporariamente funções desnecessárias em momentos de grande estresse. Ele aponta que a alimentação costuma ser um fator relevante para quedas e recuperações. "Não é só a covid que gera esse efeito. Se seus níveis de ferro no sangue estão baixos, isso vai te afetar mais do que a outras pessoas", explicou à BBC News Brasil. Se a deficiência de ferro for sanada, "o cabelo voltará com o tempo."

De acordo com a Associação Britânica de Dermatologia, a escassez de cabelo só se torna visível em casos bem graves de eflúvio telógeno e raramente essa condição demanda o uso de peruca.

"Mas não duvido que possa ocorrer com algumas pessoas nessa pandemia. Como os pacientes que tiveram covid grave e ficaram internados em UTI, entubados por 60 dias. Pode até acontecer uma situação dessa, mas em geral não chega a ficar com uma calvície total. Há uma diminuição da densidade do cabelo. Fica mais rarefeito", diz Paulo Criado, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Em um estudo de pesquisadores da Wayne State University e do Hospital Henry Ford , ambos em Detroit (EUA), com 552 pacientes infectados com coronavírus entre fevereiro e setembro de 2020, foram diagnosticados 10 pacientes com eflúvio telógeno associado à covid-19, sendo 9 mulheres e idade média de 49 anos.

No estudo, os pesquisadores levantam possíveis causas para a queda de cabelo acentuada, como fatores psicossociais e estresse psicológico. Eles aventam também outras hipóteses dos mecanismos por trás disso, como a infecção multissistêmica.

Você viu?

Numa delas, uma cascata de coagulação surge no corpo em resposta à infecção por covid-19, o que leva a queda na concentração de proteínas anticoagulantes (dada a queda de produção e o aumento do consumo). Esses fatores podem levar à formação de microtrombos (pequenos coágulos) que podem obstruir o suprimento de sangue para os folículos capilares.

Um outro estudo, de dez pesquisadores do Montefiore Medical Center , em Nova York (EUA), investigou outros 10 pacientes que desenvolveram queda de cabelo acentuada entre 3 e 7 meses depois de serem infectadas com coronavírus. Todas eram mulheres, com idade média de 55 anos, sem histórico de eflúvio telógeno antes da covid.

"Com um número crescente de pacientes recuperados, o risco de desenvolverem essa manifestação dermatológica física e emocionalmente angustiante deve continuar."

Covid longa e alopecia

Outras condições de saúde de queda de cabelo acentuada que têm sido associadas à covid prolongada são a alopecia androgenética (conhecida como calvície) e a alopecia areata, conhecida como "pelada" e associada a fatores hereditários em 20% dos casos.

A alopecia areata, por exemplo, é uma doença multifatorial que leva à queda de cabelos e pelos do couro cabeludo ou de outras partes do corpo como barba e sobrancelhas, por exemplo. Uma de suas maiores características é a queda em placas arredondadas ou ovais, deixando aparente o couro cabeludo.

Pode afetar tanto homens quanto mulheres e independe também da etnia e idade. Não é uma doença contagiosa e não deixa cicatrizes. Essa condição pode durar de dois a três anos, mesmo sem covid-19. Então, ainda é cedo para determinar quanto tempo as pessoas serão afetadas por essa condição.

Homem com alopecia areata, que resultou em manchas calvas no couro cabeludo
Getty Images
Pacientes com predisposição genética ou doenças autoimunes, por exemplo, que podem apresentar quedas em forma de rodelas, condição conhecida como alopecia areata

"A alopecia areata é uma agressão de linfócitos que saem do sangue e vão para a pele, a nível do folículo piloso, e agridem as células em proliferação do folículo piloso. É como se fosse um carro que a marcha fosse diminuindo a velocidade. Então o pelo vai afinando, até uma hora que para de produzir. E você fica com uma clareira redonda geralmente, ou várias redondas que podem se juntar, só que esse é o menos comum. O mais comum é a queda difusa, onde diminui o volume geral de cabelo", explica Criado, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

A alopecia areata é associada por parte dos especialistas a uma doença autoimune (quando as próprias células atacam o organismo). Estima-se que atinge cerca de 2% da população mundial.

Ao longo da pandemia, alguns estudos apontaram também uma associação entre a calvície masculina e a covid-19, como um tipo de fator de risco para o coronavírus, dada a incidência de homens com esse problema capilar entre os mais afetados pela doença.

Paulo Criado, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, no entanto, afirma que "do ponto de vista imunológico e genético, a questão da calvície enquanto fator associado à covid pode ser uma coincidência porque os homens idosos em geral tem mais calvície do que as mulheres".

Cientistas ainda tentam decifrar a fisiopatologia da queda de cabelo associada à covid-19, ou seja, quais são os mecanismos ligados à origem dessa condição dermatológica.

Um grupo de pesquisadores italianos da Universidade Sapienza de Roma (Itália ) levanta três hipóteses: 1. o coronavírus desencadeia uma reação autoimune contra os folículos capilares ao criar um ambiente inflamatório que abala o sistema imunológico; 2. o vírus gera uma reação cruzada envolvendo antígenos (que estimulam a formação de anticorpos) do vírus e do corpo humano; 3. o processo se origina a partir do estresse psicológico e da deterioração da saúde mental.

Os fatores de risco ainda são pouco conhecidos porque os estudos sobre o tema envolvem um número reduzido de pacientes de covid-19 que desenvolveram alopecia.

Um grupo de pesquisadores ligado ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Japão , por exemplo, entrevistou 63 pacientes que perderam cabelo após serem infectados com coronavírus. O pequeno estudo, publicado na revista científica Open Forum Infectious Diseases em outubro de 2020, envolveu pacientes com idade média de 48 anos, sendo que dois terços eram homens e 25% tinha hipertensão e/ou níveis elevados de gordura no sangue.

Em média, os pacientes entrevistados nesse estudo reportaram alopecia 76 dias depois dos sintomas de covid-19. "Alopecia é frequentemente observada depois de infecções como ebola e dengue. A queda de cabelo depois da recuperação da covid-19 é desconhecida, mas alopecia androgenética e eflúvio telogênico são as possíveis causas", dizem os pesquisadores no artigo.

Por outro lado, um trio de pesquisadores, ligados à Universidade de Zurique (Suíça) , ao Hospital Escola Álvaro Alvim e à Universidade Federal Fluminense, analisou dez pacientes com queda de cabelo acentuada após infecção por covid-19 e apontou que todos tinham alopecia androgenética pré-existente. As sete mulheres e os três homens recuperaram completamente o couro cabeludo num espaço de tempo de três a seis meses.

Possíveis tratamentos e o mito da peruca que afeta recuperação

Até o momento, não há nenhum indicativo de que a queda de cabelo associada à covid-19 demande tratamentos diferentes dos que são adotados normalmente para o eflúvio telógeno e a alopecia areata.

Primeiro, é importante deixar claro que cabe a médicos dermatologistas (especializados ou não em cabelos, os tricologistas) diagnosticarem essa condição de saúde e prescreverem eventuais tratamentos.

Isso dependerá, por exemplo, do histórico de cada paciente e da dimensão da queda de cabelo em curso. Se ela for leve, transitória, a recuperação deve ser espontânea. Mas algumas pessoas podem apresentar perdas mais significativas, o que exigiria tratamento médico.

Ilustração do coronavírus na corrente sanguínea
Getty Images
Estudos acadêmicos abordam a ligação entre a queda de cabelo acentuada e covid-19, mas as causas, a duração e os tratamentos ainda não estão muito claros

A Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta para os riscos de se automedicar, algo que pode afetar a saúde e a aparência da pessoa.

Em geral, não há necessidade de tratamento para eflúvio telógeno, pois o cabelo crescerá por si só se o motivo ligado a sua origem deixar de existir, como a covid-19 ou o estresse severo. Nesses casos, segundo Criado, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, nenhum medicamento ou intervenção aceleraria esse processo de recuperação.

Mas, a depender do comprimento do cabelo, pode levar anos para que o volume volte ao normal. E além disso, essa queda acentuada pode ser recorrente, caso o fator ligado à origem dela retorne.

"Os tratamentos seriam os mesmos que já adotamos. Não há nenhum tratamento comprovado contra o eflúvio telógeno porque é uma condição que se recupera espontaneamente. Algumas pessoas são tratados com minoxidil ou loções capilares, mas não há estudos sólidos que atestem a eficácia. Para pessoas que tiveram muita perda de peso ou estejam com deficiência de ferro, é importante que elas mantenham uma boa alimentação. No caso da alopecia areata, o quadro de covid não levaria a nenhum tratamento diferente do que já adotamos normalmente, como terapia sistêmica com esteroides em casos mais graves, e alguns países adotam medicamentos imunossupressores (como inibidores de calciuneurina, mas a Sociedade Brasileira de Dermatologia afirma que a eficácia dessa abordagem não foi comprovada)", afirma Messenger, da Universidade de Sheffield.

Dermatologistas podem também solicitar exames para avaliar a presença de doenças ou distúrbios, como anemia, deficiência de ferro ou alteração da tireóide. O tratamento pode passar por reposição com polivitamínicos ou proteínas para formar queratina no cabelo e nas unhas, terapia com radiação ultravioleta, injeções de corticóide ou medicações que estimulam o crescimento do cabelo, como minoxidil e antralina.

Criado ressalta que "cada caso é um caso", e apenas um diagnóstico médico será capaz de determinar se há tratamento possível e qual deles deve ser adotado e monitorado. E refuta alguns mitos em torno da queda de cabelo.

Ele afirma que o uso de peruca não tem qualquer efeito negativo contra a recuperação do couro cabeludo. "Isso não tem nada a ver. É mito.

Segundo o dermatologista, lavar com água quente e escovar o cabelo não aumenta a queda, porque o fio tem uma resistência natural à tração. O cabelo que sai na escova de pentear, que junta no ralo do banheiro ou que cai sobre o travesseiro à noite, é um fio que já está "morto" e solto dentro do couro cabeludo.

Ele explica que mudanças ou diferenças no hábito de lavagem do cabelo podem dar uma falsa impressão de que há mais fios caindo do que o normal.

"Por dia, caem em torno de 150 fios de cabelo. Se você lava o cabelo uma vez por semana, é lógico que quando você lavar, vão cair uns 500 fios. Então você pode achar que está caindo demais, sendo que se você lava o cabelo todo dia, vai perceber que vai cair algo mais próximo da média."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários