Apenas 13% dos municípios brasileiros têm UTI para pacientes com Covid-19
Reprodução
Apenas 13% dos municípios brasileiros têm UTI para pacientes com Covid-19

Para os habitantes da maioria dos municípios brasileiros, contrair Covid-19 significa precisar de atendimento em outras cidades. E não só para UTI. Isso vale também para casos menos complexos. São dramas diários que explicam por que a rede de saúde de municípios colapsa independentemente dos casos de seus residentes. E evidencia que medidas de distanciamento social sem coordenação estadual e nacional são ineficazes, mostra um estudo do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Dados do Conselho Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), referentes a fevereiro, revelam que apenas 741 (13,3%) dos 5.570 municípios brasileiros apresentam capacidade de atendimento de alta complexidade para Covid (UTI). O problema ganha dimensão maior quando se constata que não chega nem à metade (37,4%) o número de municípios (2.085) que consegue atender mais de 10% de seus habitantes que precisaram de internação, de qualquer grau de gravidade.

Registros do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), de abril de 2020 a fevereiro de 2021, por exemplo, indicam que pouco menos de um quinto dos municípios (1.029, ou 18,5%) conseguiram atender a mais de 10% dos casos de seus habitantes com necessidade de UTI ou de unidades de cuidados intermediários. Estas são estabelecimentos de saúde com respiradores e suporte para encaminhamento para UTI.

O estudo destaca que a regra na pandemia foi o brasileiro com Covid precisar se deslocar de sua cidade para conseguir atendimento. O deslocamento é um fator de agravamento da doença, além de camuflar focos da pandemia, diz o coordenador do trabalho, Diego Xavier, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde e do Monitora Covid-19.

"Um prefeito não consegue resolver nada. É preciso ação coordenada em nível estadual e nacional. Governadores precisam trabalhar coordenando seus municípios e em conjunto com os estados conectados ao seu", diz Xavier.

Medidas compartilhadas

Intitulado “Redes de Atenção à Saúde para Covid-19 e os desafios das esferas governamentais: Macrorregiões de Saúde e a curva que devemos ‘achatar’”, o trabalho chama a atenção para o fato de que as conhecidas conexões de saúde têm sido quase sempre ignoradas em ações de contenção da pandemia.

Foram contabilizados 855.818 registros de hospitalização por Covid-19 até 30 de março e comparados os dados do município de residência com os do de internação.

Os pesquisadores viram que o fluxo de internação dos pacientes com Covid-19 se assemelha ao das demais doenças nas chamadas macrorregiões, compostas por um conjunto de municípios que devem tomar medidas compartilhadas para aumento da restrição ou relaxamento das medidas de distanciamento social.

Você viu?

O Rio de Janeiro é um dos estados com mais municípios com UTIs. Mesmo assim, o sistema não funciona porque os municípios adotam medidas diferentes de distanciamento.

Exemplos são Duque de Caxias e São Gonçalo, “exportadores” de pacientes com Covid-19 para Rio e Niterói, respectivamente, revelam dados do Sivep-Gripe analisados por Xavier, referentes ao período de 3 de março de 2020 a 2 de fevereiro de 2021.

"O município do Rio internou mais pacientes de UTI de Duque de Caxias do que a própria cidade Caxias. Quase metade dos pacientes de UTI de São Gonçalo foram para Niterói, que absorveu também grande parcela dos casos de Covid-19 de menor complexidade do município vizinho", salienta Xavier.

Ele acrescenta que, sem medidas conjuntas, Rio e Niterói, por exemplo, não conseguirão reduzir a demanda por leitos porque parte significativa da pressão vem de fora.

As redes de saúde e de transmissão se conectam. Isso significa que um prefeito pode decretar lockdown, mas ele não adiantará muito, se os municípios vizinhos não fizerem o mesmo.

Conexões semelhantes acontecem no nível estadual. O norte da Bahia e Pernambuco formam uma região de atendimento com intenso deslocamento de pacientes. Já o nordeste da Bahia interage com Sergipe.

Há relevante fluxo doentes do sudoeste de Minas para o norte de São Paulo e, de lá, para a capital paulista. O oeste de Santa Catarina e o sudoeste do Paraná têm intercâmbio de pacientes. E, em outro exemplo, o sul do Amazonas exporta pacientes para Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

"Adotar o sistema de redes é o caminho para conter a pandemia. O Ministério da Saúde precisa orientar e negociar com os governadores. Por vezes, há interesses conflitantes. É preciso uma coordenação nacional, e outra nos estados", enfatiza Xavier.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários