BBC News Brasil

Covid-19: China reage a anúncio de que EUA investigará teoria de vazamento de laboratório em Wuhan
Reprodução: BBC News Brasil
Covid-19: China reage a anúncio de que EUA investigará teoria de vazamento de laboratório em Wuhan

A decisão do governo americano de investigar o possível papel de um laboratório na cidade de Wuhan na disseminação do coronavírus gerou reações de autoridades chinesas.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na quarta-feira (26/05) que as agências de inteligência do país vão apurar, em 90 dias, se o vírus responsável pela pandemia de covid-19 se espalhou após escapar acidentalmente do Instituto de Virologia de Wuhan, na China, ou se evoluiu naturalmente em um animal hospedeiro até começar a infectar humanos.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país asiático, Zhao Lijian, disse que a decisão pela investigação mostra que os EUA "não se importam com fatos ou verdades e têm interesse zero em um estudo sério sobre as origens (do vírus) com base científica". A China rejeita qualquer conexão entre a covid-19 e as pesquisas com diversos vírus realizadas no laboratório.

"O objetivo deles (EUA) é usar a pandemia para seguir com a estigmatização, a manipulação política e a transferência de culpa. Eles estão sendo desrespeitosos com a ciência, irresponsáveis com a vida das pessoas e contraproducentes para os esforços conjuntos para combater o vírus", disse o porta-voz, acrescentando que as agências de inteligência americanas têm uma "história sombria" de disseminação da desinformação.

Apesar de não se referir explicitamente ao anúncio de Biden, um comunicado da embaixada chinesa nos Estados Unidos também afirmou que "as campanhas de difamação e transferência de culpa estão voltando".

As origens e a situação atual da desconfiança sobre laboratório

O vírus que causa a covid-19 foi detectado pela primeira vez em Wuhan no final de 2019. Desde então, mais de 168 milhões de casos da doença e 3,5 milhões de óbitos foram confirmados no mundo.

Autoridades e diversos países relacionaram os primeiros casos da covid-19 com possíveis transmissões em um mercado de frutos do mar em Wuhan, levando boa parte da comunidade científica a cogitar que o vírus passou de animais para humanos.

Entretanto, no domingo, o jornal americano The Wall Street Journal divulgou trechos de um relatório de inteligência dos EUA que informava que ao menos três funcionários do Instituto de Virologia de Wuhan desenvolveram uma doença em novembro de 2019 que os levou a buscar ajuda médica em hospitais, o que contradizia a versão oficial dos cientistas chinesas.

Você viu?

Homem sentado em frente a portões fechados de mercado de Huanan
Getty Images
Primeiros casos da covid-19 foram relacionados a possíveis transmissões no mercado de Huanan, em Wuhan

Por enquanto, não há certeza sobre que tipo de doença acometeu os funcionários do laboratório. Oficialmente, o primeiro caso de covid-19 seria notificado apenas em dezembro daquele ano.

No início deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um relatório escrito em conjunto com cientistas chineses sobre as origens da covid-19, dizendo que as chances de ela ter começado em um laboratório eram "extremamente improváveis".

O documento afirmou que o vírus provavelmente passou dos morcegos para humanos por meio de outro animal intermediário, mas que mais pesquisas eram necessárias.

Na quinta-feira (27/05), um porta-voz da OMS reiterou à BBC que mais estudos sobre a doença são necessários "em uma série de áreas, incluindo a detecção precoce de casos e pontos de contágio, além do potencial papel de mercados de animais, da transmissão através da cadeia alimentar e a hipótese de incidentes laboratoriais".

A hipótese de que o vírus seria resultado de um acidente de laboratório foi extensamente explorada pelo ex-presidente americano Donald Trump em sua campanha eleitoral de 2020, postura rechaçada pelos cientistas.

Um dos que apontavam para a baixa veracidade da hipótese era o médico Anthony Fauci, líder da força-tarefa contra a covid-19 nos EUA. Na última terça, no entanto, Fauci disse que "não está convencido" sobre o desenvolvimento natural do vírus, a partir do mercado de Huanan.

"Acho que deveríamos continuar investigando o que aconteceu na China até descobrirmos exatamente o que houve. As pessoas que investigaram disseram que era mais provável que tenha surgido de um mercado de animais e depois infectado humanos, mas poderia ser algo diferente disso. E precisamos descobrir", afirmou Fauci.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários