Covid-19: vacinas da Sinopharm possuem mais de 70% de eficácia
Reprodução
Covid-19: vacinas da Sinopharm possuem mais de 70% de eficácia

Duas vacinas produzidas pela Sinopharm da China aparentam ser seguras e eficazes contra a Covid-19, segundo um estudo publicado em um jornal médico. Os cientistas esperavam por mais detalhes sobre as vacinas, embora já estejam sendo usadas em vários países e recentemente uma delas ganhou o apoio da Organização Mundial da Saúde para uso emergencial.

O relatório concluiu que as duas vacinas são cerca de 73% e 78% eficazes. Pesquisadores da Sinopharm explicaram que o teste envolveu cerca de 40.380 participantes com as duas vacinas da empresa e um placebo. Uma foi desenvolvida pelo Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan e outra pelo Instituto de Produtos Biológicos de Pequim.

O teste foi realizado em quatro países: Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Egito e Jordânia. Porém, o estudo forneceu dados apenas para o Bahrein e os Emirados Árabes Unidos.

“Não há nada muito surpreendente. É consistente com o que eles alegaram anteriormente, mas não elimina completamente as dúvidas sobre o Sinopharm”, relatou Jin Dong-yan, professor de medicina da Universidade de Hong Kong. Ele não estava envolvido no estudo e levantou dúvidas sobre a proteção da vacina com base em um recente aumento de casos.

Alguns especialistas também expressaram preocupação com a falta de participantes do sexo feminino, com quase 85% sendo do sexo masculino.”É importante certificar-se de que você o testou em um número suficiente de mulheres para poder começar a ver quaisquer possíveis problemas de segurança”, pontuou Ashley St. John, professora associada da Duke-NUS Medical School, em Cingapura.

As vacinas feitas com vírus inativados já foram dadas a milhões de pessoas em todo o mundo. A OMS liberou a vacina do Instituto de Produtos Biológicos de Pequim para uso emergencial no início de maio. Ademais, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse em abril que a China forneceu vacinas para mais de 100 países, embora não os tenha identificado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários