EAU e Bahrein vão oferecer dose extra da Pfizer para quem já usou Sinopharm
Patrick T. Fallon/Divulgação
EAU e Bahrein vão oferecer dose extra da Pfizer para quem já usou Sinopharm

Os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein disponibilizaram a vacina contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech como dose de reforço para aqueles inicialmente vacinados com o imunizante desenvolvido pela Sinopharm.

Os estados do Golfo, que vacinaram grande parte de suas populações, inicialmente começaram a vacinar residentes e cidadãos com o imunizante da Sinopharm, antes de introduzir outros.

O Bahrein está atualmente lutando contra sua maior onda de infecções, enquanto os Emirados Árabes Unidos registram quase o dobro de casos de Covid-19 do que há sete meses.

No Bahrein, um representante do governo disse que as pessoas poderiam receber uma dose de reforço das vacinas da Pfizer/BioNTech ou da Sinopharm, independentemente da vacina que tenham tomado inicialmente. "O governo não está recomendando qual injeção de reforço é escolhida", disseram os representantes.

Em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, uma injeção de reforço está disponível três meses após a segunda dose ter sido administrada, disse um representante da Mubadala Health, parte do fundo estadual. Uma vacina diferente pode ser fornecida como dose de reforço, mas fica a critério do receptor e os profissionais de saúde não fazem recomendações, disse o representante.

Abu Dhabi oferece a vacina da Sinopharm ao público em geral desde dezembro e começou a usar a da Pfizer em abril. Têm sido oferecidas terceiras doses da Sinopharm desde pelo menos o mês passado, depois que foi descoberta que a injeção não tinha criado anticorpos suficientes para alguns receptores.

Preocupações sobre a vacina da Sinopharm

Existem preocupações sobre a eficácia da vacina da Sinopharm devido à disponibilidade limitada de dados clínicos publicados. Ela recebeu, no entanto, aprovação de uso emergencial pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em maio.

A vacina chinesa é 78,1% eficaz contra a Covid-19 sintomática, de acordo com um estudo publicado no mês passado na revista científica JAMA.

Você viu?

No entanto, os pesquisadores disseram que os dados do estudo, realizado em países como Emirados Árabes Unidos e Bahrein, foram insuficientes para idosos e portadores de doenças crônicas.

Segundo o Wall Street Journal noticiou nesta quinta-feira, o subsecretário de saúde do Bahrein, Waleed Khalifa Al Manea, disse que a vacina da Sinopharm fornece um alto grau de proteção. Mas aqueles no Bahrein com mais de 50 anos, com obesidade ou doenças crônicas foram incentivados a tomar uma injeção de reforço da Pfizer seis meses após receber a segunda dose da Sinopharm, disse ele ao jornal.

Países oferecem segunda dose diferente

Outros países oferecem diferentes imunizantes contra a Covid-19 na segunda dose em meio a atrasos no fornecimento e preocupações de segurança.

No Canadá, o Comitê Consultivo Nacional de Imunização do país disse em 1 de junho que pessoas que receberam a primeira dose da vacina da AstraZeneca podem escolher receber uma diferente para a segunda dose. E acrescentou que as vacinas da Pfizer e da Moderna podem ser usadas alternadamente.

Na Finlândia, o Instituto de Saúde e Bem-Estar do país disse em abril que os destinatários de uma primeira dose da vacina da AstraZeneca com menos de 65 anos podem receber uma injeção diferente para a segunda dose. A mesma decisão foi tomada pela agência de saúde da Suécia.

O principal órgão consultivo de saúde da França recomendou em abril que as pessoas com menos de 55 anos que receberam a primeira dose da AstraZeneca deveriam receber uma segunda dose de uma vacina de RNA mensageiro (mRNA), da Pfizer ou da Moderna, embora a mistura de doses ainda não tenha sido avaliada em testes.

A Noruega também informou, em abril, que ofereceria àqueles que receberam a vacina da AstraZeneca na primeira dose uma de RNA mensageiro como segunda.

A ministra da Saúde da Espanha, Carolina Darias, disse em maio que o país permitiria que menores de 60 anos que receberam uma injeção de AstraZeneca recebessem a segunda dose da vacina da própria AstraZeneca ou da Pfizer, após resultados preliminares de um estudo realizado pelo Instituto de Saúde Carlos III.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários