Variante californiana reduz ação de anticorpos da Pfizer e Moderna
Reprodução/FreePic
Variante californiana reduz ação de anticorpos da Pfizer e Moderna


Segundo artigo publicado na revista científica Science na quinta-feira (1), a variante epsilon da Covid-19, identificada pela primeira vez na Colifórnia, reduz a ação de anticorpos neutralizantes produzidos após a vacinação com Pfizer e Moderna.  

Os pesquisadores avaliaram o soro de 30 indivíduos vacinados com as duas doses das vacinas de mRNA, metade deles com a Pfizer, a outra com a Moderna. O sangue deles foi coletade de 7 a 27 dias após a segunda dose, quando já é esperada uma alta taxa de anticorpos produzidos pela imunização.

Os soros dos voluntários foram testados em laboratórios contra réplicas artificiais do vírus com mutações presentes na linhagem estudada em comparação à forma ancestral. Dos 34 tratamentos utilizados, houve redução significativa em 14 deles do poder de bloqueio desses anticorpos. O Regeneron, que teve uso emergencial aprovado pela Anvisa em maio, não sofreu alteração e conseguiu neutralizar a variante feita em laboratório.

Você viu?

A redução da ação desses anticorpos está diretamente ligada à mutação L452R, presente na variante epsilon, explicam os pesquisadores no artigo. Essa capacidade de bloqueio já havia sido cita em um artigo publicado na revista Cell em abril. O artigo também apontava para uma transmissão 20% maior associada a essa mutação.

Buscando formas de burlar a proteção oferecida pela vacina ou produzida pela infecção, as mutações nas regiões de ligação desses anticorpos têm sido recorrentes nas diferentes linhagens do vírus que têm surgido.

Segundo informações da Folha, a OMS (Organização Mundial da Saúde) caracterizou a variante epsilon como VOI, o que quer dizer que ela deve ser monitorada. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças norte-americano, no entanto, a classificou como variante de preocupação (VOC), que são formas do vírus com mutações que são de maior preocupação.

Uma pesquisa na China utilizou soro de vacinados com a Coronavac e apontou que a vacina manteve o seu poder de neutralização de anticorpos contra a epsilon. Quanto à Janssen e AstraZeneca, ainda não se tem dados sobre a capacidade de neutralização frente à variante californiana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários