malária é transmitida por meio da picada de um mosquito
shutterstock
malária é transmitida por meio da picada de um mosquito

A aguardada vacinação preventiva contra a malária é enfim, realidade. Em decisão histórica, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou hoje que crianças de países com altas taxas de transmissão na África Subsaariana poderão receber o imunizante.

A recomendação foi feita após a análise dos resultados de uma pesquisa que acompanhou mais de 800 mil crianças desde 2019 em Gana, Quênia e Malaui. O estudo, que continua em andamento, analisa o impacto da aplicação de mais de dois milhões de doses.

A partir dos cinco meses, as crianças irão receber quatro doses das crianças para prevenir a doença e reduzir o impacto da malária em quem já está contaminado.

O "programa piloto" deve continuar nos três países para avaliar o impacto das quatro doses a longo prazo nas mortes infantis.

Leia Também

"Este é um momento histórico. A tão aguardada vacina contra a malária para crianças é um avanço para a ciência, a saúde infantil e o controle da malária", disse Tedros Adhanom Ghebreyesu, diretor-Geral da OMS.

"Além das ferramentas existentes para prevenir a malária, usar esta vacina pode salvar dezenas de milhares de vidas jovens a cada ano", completou ele, em comunicado. Outras medidas como o uso de mosquiteiros e inseticidas devem continuar, segundo orientação.

Segundo a OMS, a vacina teve "alto impacto", reduzindo em 30% os casos de malária grave e mortal. A doença é a principal causa de mortes e adoecimentos na região. A cada ano, cerca de 260 mil crianças africanas morrem antes dos cinco anos pela doença.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários